O esquema de corrupção, uma espécie de sistema, desviou pelo menos 10 bilhões da Petrobrás para políticos do PT, PMDB e PP e para diretores da empresa e para um doleiro

Capa - Edição 2397

A revista “Veja” publica, na edição desta semana, uma reportagem explosiva: “Petrolão — Dilma e Lula sabiam de tudo, diz Alberto Yousseff à PF”. “Tudo” quer dizer as negociatas que ocorriam na Petrobrás.

A matéria de Robson Bonin relata que na terça-feira, 21, “o doleiro Alberto Yousseff entrou na sala de interrogatórios da Polícia Federal em Curitiba para prestar um depoimento em seu processo de delação premiada”. Apontado como “banqueiro” de políticos do PT, do PMDB e do PP, além de associado com empreiteiras, Yousseff decidiu abrir o jogo sobre o esquema de lavagem de lavagem que pode ter assaltado 10 bilhões dos cofres da Petrobrás.

Mesmo temeroso do que os poderosos podem fazer com ele, sobretudo depois das eleições, Alberto Yousseff decidiu abrir o jogo. “Com a autoridade de quem atuava como o banco clandestino do esquema, ele adicionou novos personagens à trama criminosa, que agora atinge o topo da República. Perguntado sobre o nível de comprometimento de autoridades no esquema de corrupção na Petrobras, o doleiro foi taxativo:

— O Planalto sabia de tudo!

— Mas quem no Planalto?, perguntou o delegado.

— Lula e Dilma, respondeu o doleiro.”