Euler de França Belém
Euler de França Belém

“Demissão” de Arnaldo Jabor nada tem a ver com o governo de Dilma-PT, e sim com contenção de custos

Recebo todos os dias dezenas de e-mails “garantindo” que, ao contrário do que publiquei, o colunista Arnaldo Jabor foi “demitido” do jornal “O Estado de São Paulo”, o “Estadão”, “a pedido do Palácio do Planalto”, “a pedido da presidente Dilma Rousseff” ou “devido às pressões do PT”. Nada disso é verdade.

O “Estadão” demitiu Arnaldo Jabor, seu mais celebrado colunista e rei de audiência — lido por antipetistas e, também, por petistas, dada sua habilidade com as palavras; é o típico autor de textos excelentes para debates e polêmicas —, não por que tenha sido pressionado pelo governo da presidente Dilma Rousseff ou pelo PT de Rui Falcão e Lula da Silva.

“O Estado de S. Paulo” demitiu — ou não renovou o contrato (não havia carteira assinada) — Arnaldo Jabor porque está numa fase de contenção de despesas e decidiu reduzir o salário dos colunistas. Há uma nova política salarial no jornal. Só isso. O ganho mensal de Arnaldo Jabor estava acima, bem acima, do novo cenário financeiro do “Estadão”. O único responsável pela “demissão” é o jornal.

O próximo problema deve ser Dora Kramer, a colunista política.

2
Deixe um comentário

1 Comment threads
1 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
2 Comment authors
Adalberto De Queiroz

Mr. DE FRANÇA, Na condição de assinante do Estadão Online, o sr Arnaldo Jabor não me fará nenhuma falta. Ele é o típico analista que grita de forma estridente os estribilhos de nosso tempo. Até mesmo quando começa uma análise e consegue levá-la bem sucedida até ali pela altura do 4o.parágrafo, termina culpando a “direita norte-americana” por todos os erros e desacertos do mundo, incluindo unha-encravada de um anti-americano esquerdóide no Piauí. Nem posso ao agnóstico dizer: Vaya con Dios! Pois ele não tem Fé, nem crença, a não ser a crença moderna no poder do Coletivo e da igrejinha… Leia mais

Jung Gustavo

Adalberto de Queiroz! As suas palavras são as minhas!