Euler de França Belém
Euler de França Belém

Darci Accorsi, homem do bem e de bem, fazia política com paixão e alegria

[Adriana Accorsi e seu pai Darci Accorsi]

Darci Accorsi nasceu para ser mestre e alegre. Na Universidade Católica de Goiás (UCG), entre 1980 e 1983, cursei História e o gaúcho de olhar vivo e inquisitivo foi meu professor de Filosofia, no Básico. Depois, no curso de Filosofia da Universidade Federal de Goiás, no início da década de 1980, voltou a ser meu professor. Sua vocação era dar aulas – o que fazia com enorme prazer. Era mais diversão do que trabalho. Estudar Heidegger, ou qualquer filósofo complexo, era uma delícia. Darci tornava-o simples, mas sem simplificá-lo. Outro excelente professor, o padre Jordino, adensava Heidegger, ampliava sua complexidade, sugeria que estudássemos alemão. Darci puxava o filósofo alemão para perto de nós. Não nos iludia, indicando que se tratava de um filósofo fácil, mas buscava torná-lo mais acessível. Às vezes, com aquele jeitão extrovertido e olhar perscrutador, explicava que era preciso dominar os conceitos e o vocabulário mais utilizado pelo filósofo. Daí tudo ficava menos difícil.

Paralelamente à sua atividade docente, Darci dedicava-se à militância política, no Partido dos Trabalhadores, o PT. Era uma de suas estrelas. Por duas razões: era motivador e líder. Fazia tudo com paixão. Costuma-se dizer que o PT faz mais reuniões do que gestão. Marca-se uma reunião para, a partir dela, fazer outra reunião. É a má fama do PT. Mas Darci era diferente, ou ligeiramente diferente. Há quem não considere que tenha sido bom prefeito. Engana-se. Não foi mau prefeito. Talvez tenha sido o melhor prefeito do PT na capital. Devemos a ele, entre outras coisas, o Parque Vaca Brava. No poder, quando muitos mudam, tornando-se autoritários e arrogantes, permaneceu democrata e aberto ao diálogo. Tinha uma delicadeza no trato pessoal ímpar. Não era vingativo nem ressentido.

Depois, voltou a disputar a Prefeitura de Goiânia, mas foi derrotado. Dizem que descasou-se do PT. Talvez tenha sido diferente: o PT, em certo momento de radicalização, o deixou. Mas ele, mesmo se filiando noutro partido, não havia deixado o PT. Tanto que, mais tarde, voltou ao partido. Tinha forte identidade com o PT moderado, mais próximo da socialdemocracia. Darci era um realista, que sabia que administrar não é colecionar ideias bonitas e impraticáveis sobre mudar o mundo. Sabia que gerir bem um município é o comecinho para mudar a cidade, o país e o mundo.

Há pouco tempo, as redações receberam a informação de que Darci estava doente – tinha câncer. Devido ao fato de ser um homem esfuziante – este espírito alegre e feliz disfarçava sua idade e todos sempre pensavam que era mais jovem, muito mais jovem (quase sempre de cabelos revoltos, um cigarro na mão e o inconfundível sotaque gaúcho) – muitos duvidaram de que a notícia fosse verdadeira. Mas era. Sempre um resistente, tratou-se, seguiu as recomendações médicas. Porém, com a agudização do câncer, o organismo não resistiu e o mestre Darci morreu, aos 69 anos, na quinta-feira, 20, em Goiânia. Talvez seja possível sintetizá-lo assim: um homem alegre, de bem e do bem. Um homem que viveu para servir.

Darci deixa uma semente na política: sua filha Adriana Accorsi, delegada da Polícia Civil de Goiás que, na disputa deste ano, elegeu-se deputada estadual, pelo PT, com uma votação extraordinária. Adriana, com seu olhar luminoso, tem a paixão do pai para fazer o bem. Ele ficou orgulhoso com sua vitória eleitoral. Ele sabia que estava partindo, mas sabia que sua história teria sequência.

 

1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Epaminondas

O sujeito que propôs o estapafúrdio de transformar Goiânia numa “capital country” era professor de filosofia? Imagina se ele fosse um grosseiro.