Euler de França Belém
Euler de França Belém

Correspondente Herbert Moraes: da guerra do Oriente Médio para a paz da capital goiana

Herbert Moraes entrevista Dita Kraus, sobrevivente de Auschwitz

Herbert Moraes entrevista Dita Kraus, sobrevivente de Auschwitz

Herbert Moraes, correspondente da TV Record e colunista do Jornal Opção em Tel Aviv, passa férias em Goiânia. Herbert, há quase 10 anos trabalhando no Oriente Médio, é um dos jornalistas que mais conhecem os problemas dos países da região. Re­centemente, entrevistou Dita Kraus, uma sobrevivente de Auschwitz. Aos 14 anos, Dita Kraus se tornou bibliotecária não-oficial do campo de extermínio de Auschwitz, na Polônia. A história está parcialmente contada num livro do escritor argentino-canadense Alberto Manguel, que foi secretário de Jorge Luis Borges, e num romance histórico de um jornalista espanhol, Antonio Iturbe. Dita Kraus tem 84 anos e mora em Israel, onde Herbert a localizou. Publicada a entrevista, ela escreveu uma carta para o jornalista goiano dizendo que havia captado de maneira perceptiva o que havia dito. Ao escrever o texto, Herbert registrou suas expressões faciais, os incômodos por mexer em feridas tão graves e não inteiramente cicatrizáveis. Ela gostou disso.

O segredo do correspondente internacional? Como em qualquer lugar, boas fontes e uma combinação de paciência e persistência, além, é claro, de um conhecimento preciso dos povos da região. Costuma-se dizer que Tel Aviv é uma bolha, em termos de segurança, mas o Oriente Médio, além do petróleo, é um barril de pólvora. Herbert cobriu a maioria dos últimos conflitos da região. Acos­tumou-se ao que acontece lá? Ninguém acostuma-se, mas adapta-se. Sobretudo, gosta do que faz. Por enquanto, curte a paz relativa de Goiânia, sua cidade natal.

Deixe um comentário