Euler de França Belém
Euler de França Belém

Comemorar crise da Editora Abril, que publica a “Veja”, é um tiro no pé

A crise financeira do grupo da família Civita é um fato. Mas disseminar boatos contribui para agravá-la

Fotos: Divulgação

Os herdeiros de Roberto Civita deixaram, recentemente, a direção da Editora Abril. Profissionais do mercado financeiro assumiram o comando do grupo com o objetivo de salvá-lo da bancarrota. Em 2017, a empresa teve um prejuízo de 331 milhões de reais.

Em blogs, adubados por internautas nas redes sociais, comemora-se a crise da Abril. A “festa” tem a ver com o fato de que uma das publicações do grupo, a “Veja”, é crítica visceral do gigantismo estatal que, em anos recentes, beneficiou tanto setores da esquerda — que se locupletaram fartamente — quanto grupos tradicionais da política e do empresariado patropis. Na linguagem duplipensante dos reds, a revista se tornou um veículo de direita.

Na verdade, a “Veja”, mesmo se vista como apologista do liberalismo, não é necessariamente uma publicação de direita. Aliás, os colaboradores mais radicais, que poderiam ser tachados de direitistas, foram afastados e colaboradores menos, digamos, “estreitos” foram convocados para substitui-los. A esquerda fingiu que não viu a mudança de percurso sob o comando do diretor de redação André Petry. A “Veja” está  mais aberta à diversidade de ideias, mas permanece intransigente no combate à corrupção — o que, claro, é positivo para a sociedade.

A torcida pela derrocada do Grupo Abril — que publica revistas como “Quatro Rodas”, “Veja” e “Exame” (a que leio com mais prazer) — faz parte da guerra ideológica que resulta no discurso do ódio e contamina a política brasileira na atualidade. Além da alta qualidade das publicações, com uma história exemplar — a Operação Lava Jato foi, sem dúvida, fortalecida pelas reportagens da “Veja”, o que irrita profundamente a esquerda petista —, os vários empreendimentos editoriais da Abril deram e dão empregos a centenas de jornalistas e fotógrafos, com os melhores salários, em termos de impressos, do mercado. Foram e são úteis para “formarem” gerações de repórteres, redatores e editores extremamente capazes.

A crise da Abril não é um fato inventado pela esquerda. Mas torcer para que a crise se agrave — já é bem grave —, com a disseminação de boatos, até em sites sérios que noticiam assuntos jornalísticos, é uma torcida contra a qualidade profissional e, sim, a favor do desemprego. A empresa da família Civita é uma das maiores empregadoras de jornalistas do país.

5
Deixe um comentário

5 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
5 Comment authors
Amália de Cássia Leite R.Almeida

Infelizmente o país está sendo imaculado com mentes ditas filosóficas que tecem longos declames sobre a república social, viva a igualdade…viva os direitos…que bando de hipócritas,gritam igualdade social, mas desfilam em seus carrões,moram em belas casas e vivem do dinheiro dos pais ou mesmo do governo.Estudam em faculdades e se julgam grandes donos de saberes…Que grande homens estão formando esse país com essa ideia Marxista…ideologia de tolos ou seja de espertos que não gostam de trabalhar e sim de viver do social…

Daniel Silva

A crise editorial é algo mundial. Não existe uma revista impressa sequer que não passa por dificuldades. A Carta Capital por exemplo, que é um folhetim barato da esquerda corrupta está prestes a fechar as portas e até a Gleisi, presidente do PT fez vídeo pedindo assinantes. A esquerda comemora a derrocada da Veja como se isso a tornasse menos credível, o que é uma completa mentira. Os tempos áureos das revistas acabaram. Menos pessoas consomem esse conteúdo atualmente. Trabalhei na Abril de 2009 até 2013 e a estrutura era inchada e ineficiente. Muita gente ganhou muito dinheiro e a… Leia mais

Jose V Pereira

Quando Veja denunciou Collor, os PTistas aplaudiram, quando Veja mostrou o vídeo de Roberto Jefferson, enfiando dinheiro nos bolsos e por consequência descobriram o mensalão, aí os esquerdistas se rebelaram contra a revista.

Felipe

Não é de direita HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA Leia o artigo do Denis Russo na NEXO (que estava lá dentro e tem BEM mais parâmetros para falar sobre isso do que você). https://www.nexojornal.com.br/colunistas/2018/Abril-e-o-Brasil

A VEJA é uma das responsáveis pelas construção dessa geração doente de bolsominions. Talvez seja por isso que tenha aflorado o discurso com a entrada de Petry – mea culpa.

Rodolpho Domingues

Tem que falir mesmo! Fábrica de fake news… Imprensa manipuladora! A esquerda não precisa da Abril… precisa apenas dos trabalhadores! A parte engraçada é que a Abril só existe por conta de uma lei assinada por Lula que permite a recuperação financeira da empresa… Já devia ter fechado faz muito tempo!