Euler de França Belém
Euler de França Belém

A chacina que só O Popular viu numa reportagem de segunda categoria

A Rotam atendeu a uma ocorrência, como manda a lei, não agiu na clandestinidade. “O Popular” deu mais uma bola fora

O Popular 2 12963404_10208651551109234_8487016471060333850_n

Cleiton Scott

Desinformação e má-fé resumem o título na capa de “O Popular” de hoje (segunda-feira, 4) sobre ação da Rotam. Não vou me alongar, pois tenho por missão evitar reportagens de meia-tigela, mas vamos aos fatos:

1 – Quem comete chacina são pessoas anônimas, camufladas, que agem fora da lei.

2 – A Rotam estava em viatura caracterizada e os nomes dos policiais foram amplamente divulgados.

3 – A equipe se dirigiu ao local depois de ser acionada via denúncia.

4 – Em situação de risco (tratava-se de quadrilha fortemente armada), a polícia tem de adentrar o ambiente com arma em punho e atenta aos revides.

5 – Depois que começou o tiroteio, a equipe da Rotam atingiu os criminosos e descobriu que, em posse da quadrilha, havia um arsenal de guerra.

6 – Até prova em contrário, o policial, em situação de confronto armado (frise-se!) atira em legítima defesa (está previsto no CP).

7 – A Rotam atendeu a uma ocorrência, como manda a lei, não agiu na clandestinidade (portanto, chacina é o escambau!) e “O Popular” deu mais uma bola fora, como em tantas outras vezes, quando insiste em desqualificar uma das melhores tropas de Goiás.

8 – Assim como qualquer morte em confronto com a polícia, o repórter diz que houve uma “suposta troca de tiro”, não hesito em afirmar, categoricamente, que estamos diante de um “suposto jornal”!

Cleiton Scott é professor.

Uma resposta para “A chacina que só O Popular viu numa reportagem de segunda categoria”

  1. Avatar Claudio Freitas disse:

    Artigo com resposta a altura! Muito bom!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.