Euler de França Belém
Euler de França Belém

Carta de Eça Queiroz sugere que foi ludibriado e menciona dificuldade para publicar o romance Os Maias

Eça de Queiroz: em sua carta, o escritor português fala das mortes dos escritores ingleses Thomas Carlyle e George Eliot (Mary Ann Evans)

Eça de Queiroz: em sua carta, o escritor português fala das mortes dos escritores ingleses Thomas Carlyle e George Eliot (Mary Ann Evans)

Bristol, ao Fevereiro 1881.
Querido Ramalho

O seu tempo é precioso; portanto, sem considerações gerais armadas em pórtico, vou direito ao meu caso. Venho pedir-lhe que se encarregue de uma missão: ir ao Diário de Portugal, e exigir em meu nome, aos cavalheiros que dirigem esse jornal, uma explicação. Aqui lhe ponho os fatos, condensados, e nas linhas essenciais:

Quando eu estive em Lisboa, o Malheiro pediu-me que escrevesse para o Diário um romance: apelou urgentemente para a nossa velha amizade, e deu-me razões determinantes. Para o satisfazer, interrompi a Capital, estragando-a para sempre, creio eu, porque vejo agora que não poderei recuperar o fio de veia e de sentimento em que ela ia tratada; e faltei aos meus compromissos com o Chardron. O contrato com o Malheiro era eu dar-lhe uma novela de vinte e cinco a trinta folhetins, com a remuneração de trinta libras, preço de amizade. Apenas o trabalho ia em meio, reconheci que tinha diante de mim um assunto rico em caracteres e incidentes e que necessitava um desenvolvimento mais largo de “romance”. Comuniquei isto ao Malheiro, que se alegrou — e para fazer pacientar os leitores do jornal, presenteei o Diário com uma novela: o Mandarim (grátis!!!)

Mal vira porém que eu ia fazer um romance tratei de lhe assegurar uma existência mais longa que as das folhas volantes de um jornal: ocupei-me da sua aparição em livro. O Chardron aceitava as minhas propostas (se bem me lembro, uns quatrocentos mil réis em dinheiro e mais uns livros, etc.) mas com a razoável condição de que o romance (a esse tempo já com o título decidido: Os Maias) seria primeiro impresso e remetido para o Brasil, depois publicado em Lisboa no folhetim do Diário: isto era justo para evitar a contrafação sobre os folhetins remetidos daí para o Rio. O Malheiro, porém, recusou esta combinação: isto é, ele não tinha direito de recusá-la; suplicou-me que a não efetuasse, com receio de que o Chardron, apenas publicado o romance, o pusesse traiçoeiramente à venda em Portugal. O receio era pueril, mas eu cedi ao Malheiro — perdendo desde logo as excelentes ofertas do Chardron!

Propus então ao Malheiro que editássemos nós ambos o livro. Êle recusou-se também, e com muito critério, porque, sem experiência nem relações, corríamos a um prejuízo certo.

Durante todas essas negociações, o manuscrito inicial de Os Maias ia-se completando. Instei, pois, com o Malheiro, para que me deixasse resolver de qualquer modo a questão da edição em volume. Depois de longos silêncios, renovadas instâncias minhas — o Malheiro aparece-me com uma brilhante proposta: uma firma editora de Lisboa oferecia-se a publicar o livro, dividindo ao meio os produtos comigo. E os detalhes da proposta eram ainda mais belos: a edição seria rica, seis mil exemplares, para começar, etc., etc. Imagine Você, querido Ramalho, a minha alegria: escrevi ao Malheiro uma carta de reconhecimento comovido: e como via nessa proposta uma pequena fortuna (o Malheiro afiançava-mo) decidi logo fazer não só um romance, mas um romance em que eu pusesse tudo o que tenho no saco. A ocasião, confesse, era sublime para jogar uma enorme cartada. Havia na proposta uma coisa vaga: era que eu não devia comunicar com a firma —meus manuscritos, provas, notas ao revisor, etc., tudo deveria ir pelas mãos do Malheiro ou do Sr. Tomás Sequeira. De fato, na proposta, o meu nome não aparecia: o contrato era feito entre o Malheiro e o editor; o Malheiro é que devia receber os proventos e passar-mos a mim; enfim, era como se fosse o Malheiro que escrevesse o livro. Isto era vago e confuso — mas desde que o Malheiro estava no negócio — era como se estivesse eu mesmo: eu tenho tanta confiança nele como em mim; o que me incomodava era não poder comunicar diretamente com os revisores. — Mas, enfim, trabalhava com grande esperança, dia e noite, e Os Maias estavam um robusto e nédio livro em dois volumes, um verdadeiro éclat para o burguês. Uma das condições é que apenas eu começasse a fazer a cópia, iria remetendo os capítulos um a um, e as provas me seriam “logo remetidas sem demora”. Você sabe que isto é indispensável ao meu processo de trabalho. E o Sr. Tomás Sequeira escreveu-me dizendo que tudo estava pronto, à espera do original, e a imprensa impaciente!

Remeti os dois primeiros capítulos, enormes, setenta páginas de impressão. E esperei ansiosamente as provas. Passaram quinze dias, um mês, dois meses, três meses. Nada! Comecei a inquietar-me e (idiota!), remeti o terceiro capítulo, outras trinta páginas de impressão. Recomecei a esperar: passaram-se quinze dias, um mês, mês e meio. Nada! Nem provas, nem carta. Nada. Escrevi, ansioso, ao Malheiro, suplicando que me dissesse onde estavam as provas — o que fora feito do meu manuscrito? O Ma­lheiro, apesar de repetidas instâncias, não me respondeu. Aflito já, dirigi-me ao Sr. Tomás Sequeira, numa carta humilde, patética, em que lhe implorava uma linha num bilhete de visitas. O Sr. Sequeira não se dignou responder-me. E aqui estou!

Afianço-lhe, sob palavra de honra, que estas coisas monstruosas e indignas são exatas. Eu, por enquanto, porém, não quero tomar uma resolução forte. Quero que Você, primeiro, arranque a esses cavalheiros a resposta que eles me recusam a mim.

Quero que Você não saia do Diário de Portugal, sem que lhe tenha sido declarado:

— Quais são as razões de uma tal descortesia?

— Qual a intenção do jornal a respeito da publicação de Os Maias?

— Por que não me foram mandadas as provas?

— Onde está o meu manuscrito?

Estava última pergunta é importante, querido, porque, burro que sou, inutilizei o manuscrito inicial desses capítulos: só tenho a cópia que mandei.

Para completar os renseignements, devo dizer-lhe: que o Malheiro já pa­gou Os Maias; que o romance está pronto no manuscrito inicial: que há (para diante do terceiro) outros capítulos copiados, e quase prontos: que a suspensão das provas, e a suspensão de tudo, fez que eu suspendesse, ou abrandasse a atividade do trabalho.

Confio esta questão à sua amizade, querido — e desde este momento fico, portanto, tranquilo. Se for necessário tomar qualquer resolução, tome-a. E faça desta carta, se quiser, uso para com esses senhores.

Pode Você imaginar o espanto e a melancolia em que estou — ven­do que depois de ter sacrificado a Capital, os interesses que me fazia o Chardron e quase um ano de trabalho incessante — recebo em paga, desconsideração, desprezo e a des­truição de muitas esperanças. É duro.

Enquanto a Os Maias — eu mesmo suponho um razoável trabalho — e isto aumenta a minha indignação… Basta de Maias.

Eu já não ouço de Você há períodos — a não ser pela Gazeta de Notícias. Estranha maneira de receber notícias de um camarada: mas ela basta-me; prefiro que Você não me mande da sua prosa manuscrita — contanto que me faça ler artigos como aquele sobre a estátua do Herculano — ou as impressões da Traparia. Estas últimas verdadeiro acepipe de gourmet.
Je me’n suis leché les babouines. Que justa sobriedade, que bom gosto, que finura, que intensidade de expressão! Você é o demônio; como é que Você consegue tirar do seu interior todas essas belas coisas?

Por aqui nada de novo — e o que há contrista suficientemente o coração do homem livre, e não menos os interesses do homem pensante. Estão fazendo da Irlanda uma Polônia e dando ao mundo o espetáculo da Inglaterra governando pela lei marcial, como o Czar. Este Gladstone que nos aparecia como o cavaleiro andante das verdades eternas, sai-nos um representante estreito das classes proprietárias do anglicanismo, e de uma espécie de cesarismo filosófico-religioso em que os gênios cristãos devem governar pela força e produzir o progresso autoritariamente… Ninguém o entende, é um tiranete pesado de velhice.

O nosso Carlyle foi-se. Outro tiranete, também: um devoto da força do idealismo heroico, dos gênios providenciais. Mas que alma forte, sincera, pura — que alma de profeta! A Inglaterra chorou-o dignamente: toda a imprensa durante dois dias ocupou-se só dele; a sua memória foi celebrada no Parla­mento; todos os professores em todas as universidades e institutos dedicaram a Carlyle o dia da lição; e em todos os templos os pregadores do dia, nas mais pequenas aldeias, fizeram do púlpito o elogio do velho filósofo. Foi um nobre luta da inteligência. Morreu de velhice, extinguindo-se como uma lâmpada, sem doença e sem dor; nos últimos momentos emergiu do coma e disse, com serenidade, para os lados: “Adeus!” Os mais ilustres homens de ciência e arte estavam junto dele.

A morte de George Eliot, a grande romancista, também outro desgosto. Enfim, a Inglaterra está em sorte.

Esquecia-me dizer-lhe — que espero que Você me responda sobre a questão Maias, ou pela volta do correio, ou no dia seguinte. Não aceite as desculpas portuguesas — de “não recebemos as cartas”, ou “lá mandaremos a resposta”, ou “isso é com o editor”. Eu, o editor não sei quem é. Só tenho negócio com Malheiro e Sequeira. A esses deve Você arrancar a explicação. Confio em si, querido. — Os meus respeitos aos pés da Sra. D. Emília e de suas filhas — e formidável abraço do seu irmão em letras
Queiroz

Nota: O Jornal Opção não “corrigiu” trechos em que parece haver problemas, como “vou direito ao meu caso” e “‘Os Maias’ estavam”. A carta é endereçada a Ramalho Ortigão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.