Matéria de Vandré Abreu não menciona uma linha (ou uma palavra) a respeito da abordagem da primeira página

Na era da imagem, os jornais diários ficam desesperados por uma boa foto para exibir na primeira página. Às vezes, uma fotografia gigante é exposta única e exclusivamente para chamar a atenção, não com o objetivo de informar sobre alguma coisa essencial. Na terça-feira, 9, “O Popular” publicou na capa a foto de um prédio histórico, “em estilo art déco”, indicando que com a derrubada da antiga sede da Prefeitura de Goiânia, que o jornal apresenta como “caixotão”, o edifício “ressurgiu”.

Há dois problemas básicos. Primeiro, a sede da antiga prefeitura, por ser térrea, não atrapalhava a visibilidade do edifício histórico. Segundo, a reportagem (assinada por Vandré Abreu), na página 2, não faz referência nenhum ao “prédio histórico” — o que indica que o editor da primeira página, na falta de outra foto, forçou a barra, “inventando” uma informação na última hora. Há uma desconexão total entre a matéria e a capa.

Fica a dúvida: o editor que fez a capa leu a reportagem?