O jornalista Augusto Nunes e a Jovem Pan foram condenados a pagar 15 mil reais — com o acréscimo de juros e correção monetária —, a título de indenização, ao jornalista Kiko Nogueira, editor do blog Diário do Centro do Mundo.

No programa “Pingo nos Is”, em 2018, Augusto Nunes sustentou que Kiko Nogueira teria sido demitido da Editora Abril devido “assédio a uma funcionária”. Pode ter sido uma resposta, abaixo da linha de cintura (portanto, excessiva), ao fato de o editor do DCM ter escrito que o editor da revista “Oeste” era um “jornalista de extrema direita”.

Kiko Nogueira, editor do Diário do Centro do Mundo | Foto: Reprodução

Na sua defesa, em processo judicial, Kiko Nogueira sustentou que, por ser um indivíduo de “princípios”, “jamais abusaria sexualmente de uma colega de trabalho”. Ele sublinha que Augusto Nunes divulgou uma “mentira”.

Augusto Nunes afirma que falou em “assédio”, mas não em “assédio sexual”. A Jovem Pan frisou que, ao exercer o “direito de crítica”, seu ex-comentarista “não” ofendeu Kiko Junqueira. O “assédio”, por sinal, não restou provado; portanto, a informação é falsa.

Jovem Pan: condenação judicial | Fonte: Reprodução

Na primeira instância, Augusto Nunes e a Jovem Pan escaparam do processo. Porém, na segunda instância, o Tribunal de Justiça mudou o julgamento. A relatora do processo, desembargadora Ana Zomer, frisou que Augusto Nunes “desrespeitou a correta prática jornalística, tratando do assunto de forma leviana sem publicar informações objetivas e contextualizadas”.

Augusto Nunes e a Jovem Pan podem recorrer.