Euler de França Belém
Euler de França Belém

Ao defender a união civil entre gays, o papa Francisco atualiza a Igreja Católica

O líder religioso não quer “destruir” a igreja, e sim atualizá-la, aproximando-a das pessoas de carne e osso, com suas diferenças e complexidades

Papa Francisco beija pé de prisioneiro, em Roma: sinal de humildade | Foto: Reprodução

O papa Francisco, o argentino Jorge Bergoglio, é um religioso-estadista surpreendente. Mesmo na Igreja Católica, da qual é o “imperador”, não se tem uma única opinião formada a seu respeito. Super conservadores não apreciam suas ideias e comportamento. Progressistas lhe têm apreço, mas postulam mudanças mais amplas.

Dizê-lo “surpreendente” não equivale a apontá-lo como uma incógnita. Pelo contrário, a conduta e o ideário de Francisco são transparentes. O papa não está enganando nem a ala interna, de padre a cardeal, nem a ala externa, os fiéis. Diferentemente de líderes teóricos, o chefe da Igreja Católica dá o exemplo: poucos papas foram tão empáticos, humildes e humanistas.

Há os que se deixam enganar a respeito do papa, quiçá por razões políticas. Os ortodoxos sugerem que está quase se tornando “comunista” — o que revela profundo desconhecimento do que é um império milenar, tão sólido e irredutível quanto a obra de Skakespeare. Há uma frieza racionalista, para além das ideologias, nas mudanças da Igreja Católica. Não se pode falar em revolução, e sim em evoluções que, somadas, ganham a aparência de simulacros de revolução.

Estruturas gigantes, milenares, como a Igreja Católica, dificilmente aceitariam um líder revolucionário, desses que, chegando ao poder, querem romper com tudo e instalar uma nova ordem.

Francisco: ao atualizar a Igreja Católica, colocando-a mais próxima da realidade do dia a dia dos fiéis, o papa a fortalece | Foto: Reprodução

João Paulo 2º, um dos grandes papas da Igreja Católica, ao lado de Ronald Reagan, presidente dos Estados Unidos, e de Helmut Kohl, chanceler da Alemanha, sem deixar a liturgia de lado — era um respeitável evangelizador —, teve uma atuação decisiva na “liquidação” do comunismo no Leste Europeu. Portanto, merece figurar na história tanto como religioso, dos mais devotados, quanto como político. Culto e perspicaz, o religioso polonês sabia que um homem de Estado, como um papa, não tem como escapar à história. A omissão é uma escolha, uma maneira de participar, talvez a pior. João Paulo 2º, Karol Wojtyla, escolheu o caminho da participação ativa.

Francisco é um papa tão político quanto João Paulo 2º, daí sua preocupação com os pobres. Mas não se trata de um interesse retórico. De fato, está trabalhando para que a Igreja Católica seja ainda mais acolhedora com os pobres — aqueles que nada têm — e com os que sofrem. A pegada humanista do papa é prática, o que, por vezes, choca até alguns de seus confrades, acostumados a viver nas ilhas de prosperidade da Igreja.

O papa é, também, um homem de coragem. Sem receio, está, digamos assim, mexendo na pauta “comportamental” da Igreja. Trata-se daquela que parece incomodar os religiosos conservadores — os que não querem mudança, nem mesmo cosméticas.

Evgeny Afineevsky, diretor de cinema, e o papa Francisco | Foto: Reprodução

Ao “abrir” a Igreja para orientações e comportamentos diversos dos aceitos tradicionalmente pelos religiosos e fiéis ortodoxos, o papa, afinal, está se tornando um revolucionário? Não. Mas, como choca parte das forças internas da própria Igreja, fica-se com a imagem, algo cristalizada, de que está ocorrendo uma revolução. De certa maneira, dada a resistência do conservantismo, acaba por ser uma evolução que parece uma revolução.

O que Francisco está fazendo é uma “atualização” da Igreja, tornando-a contemporânea de seus fiéis e dos demais seres humanos de seu tempo. A resistência, internamente feroz, é que “transforma” a atualização numa espécie de revolução. O papa está sugerindo — ao “mover” a Igreja — que é preciso acompanhar o que está acontecendo em grande parte dos países, em termos de direitos civis, sobre seus avanços, para beneficiar aqueles que, de uma maneira ou de outra, às vezes são deixados de lado, como mulheres e gays.

Ao ser apresentado no Festival de Cinema de Roma, na quarta-feira, 21, o documentário “Francesco”, de Evgeny Afineevsky, diretor americano de origem russa, provocou polêmica.

O documentário trata dos temas que são caros a Francisco, como meio ambiente, pobreza, migração e racismo. Mas um aspecto chamou mais a atenção da imprensa. “Os homossexuais têm o direito de ter uma família. Eles são filhos de Deus. O que precisamos ter é uma lei de união civil, pois dessa maneira eles estão legalmente protegidos”, disse o papa.

O que, a rigor, tem de “moderno” no que disse Francisco? Não muito, claro. Mas, como notou o “Estadão” (quarta-feira, 21), “é a primeira vez que um papa se manifesta dessa forma sobre a união civil”. Portanto, é um avanço. Insistamos: a Igreja está se tornando, a partir da cúpula — e não, necessariamente, de sua base —, contemporânea de todas as mulheres e de todos os homens.

Anteriormente, ao se mostrar tolerante com os homossexuais, Francisco disse: “Quem sou eu para julgar?” Ao receber casais homossexuais no Vaticano, o papa deu sinais de que suas palavras vão além da retórica, de certo bom-mocismo de conveniência.

O documentário sobre o papa relata a história de Andrea Rubera, casado com um homem e pai de três filhos. Ao receber uma carta de Rubera, que dizia ter interesse em “educar os filhos na fé católica”, Francisco entrou em contato, convidando-o a frequentar uma paróquia da Igreja.

O chileno Juan Carlos Cruz, vítima de abusos sexuais, conta: “Quando conheci o papa Francisco, ele me disse que sentia muito pelo ocorrido. ‘Juan, foi Deus quem te fez gay e em todo caso te ama. Deus te ama e o papa também te ama’”. O ativista contra abusos sexuais aparece no documentário.

Francisco está criando uma Igreja Católica mais humanista, tolerante e inclusiva. Noutras palavras, está fortalecendo a Igreja, ao torná-la mais acolhedora. É um papa notável.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.