Em, 2022 o eleitorado do Presidente Lula (PT) ficou dividido com o anúncio do vice-presidente, antiga oposição do petista. No fim das contas, Geraldo Alckmin foi mais positivo ou mais negativo para a eleição de Lula? Em suas buscas por vices, cada político busca um perfil diferente, seja alguém que o complete ou alguém que consiga alcançar um setor que o candidato tenha dificuldade. Sem o apoio de Alckmin, Lula consegueria se eleger em São Paulo, um dos maiores correios eleitorais do Brasil? No entanto, até que ponto algumas pautas devem ser negociadas por articulações políticas?

Uma das candidaturas municipais mais fortes do partido de Lula no Brasil é Adriana Accorsi. Delegada e deputada federal, ela costuma dizer que Goiânia está com graves problemas relacionados a aspectos importantes da vida das pessoas, que fazem diferença entre vida e morte. Para ela, é preciso dar mais importância ao debate verdadeiro sobre os graves problemas da cidade do que ao perfil ideológico de um ou de outro candidato.

De acordo com a articulação de campanha, a pré-candidata à Prefeitura de Goiânia ainda não tem um nome definido, mas está com as conversas intensificadas. Adriana está focada na escolha de um vice para a chapa, conversando com todos os partidos e buscando formar uma frente ampla. “Alguém que traga experiência, conhecimento e que tenha contato com algum setor da sociedade”. Esse nome poderia ser do setor empresarial? Com forte presença entre a população periférica, Adriana pode escolher alguém que dialogue bem com a “Faria Lima do Cerrado”.

Traumatizados com a história política dos últimos anos, os goianienses estão cada dia mais preocupados com as pré-canditaturas à Prefeitura, mas não somente na escolha dos pré-candidatos a prefeito. O medo dos eleitores é eleger um bom gestor e acabar recebendo de surpresa um vice-prefeito despreparado para a função. Já os prefeitáveis temem uma chapa que não agregue nas articulações políticas e futuramente em uma gestão.

O Instituto Opção Pesquisas revelou na última quarta-feira, 5, que a corrida eleitoral de Goiânia em 2024 é liderada por Adriana Accorsi (PT), com 19,7% das intenções de voto; seguida de Vanderlan Cardoso (PSD), com 19%; e Gustavo Gayer (PL), com 18,7%. Sandro Mabel (UB) aparece em quarto com 9,8%, e o atual prefeito, Rogério Cruz (SD) marca 5,7%. Completam ainda a disputa o jornalista Matheus Ribeiro (PSDB) está em sexto, com 3,2%. O empresário Leonardo Rizzo (Novo) aparece em sétimo, com 1,5%.

Rejeitado pela população e desgastado politicamente, o Prefeito Rogério Cruz aparece com poucas chances de ir mais a frente na disputa. É provável que o embate acabe em uma polarização PT/PL, em uma busca mais “neutra” com os centro-direita Vanderlan e Mabel ou apresente uma surpresa total nas urnas.

Provável nome para o segundo turno, Adriana busca alguém que amplie, que evidencie para a sociedade esse propósito dela de um amplo acordo de forças políticas, não só para vencer as eleições, mas para governar. Onde está o Geraldo Alckmin de Adriana Accorsi?