Augusto Diniz
Augusto Diniz

Perguntas que precisam ser respondidas pelo presidente Jair Bolsonaro

Se um jornalista tiver a oportunidade de entrevistar o chefe do Executivo nacional neste momento, seis questionamentos se fazem importantes para tirar qualquer dúvida

jair Bolsonaro 1 - Foto Antonio Cruz Agência Brasil editada

No Twitter, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) se mostrou um cão raivoso contra o repórter que investiga a atuação das milícias no Rio de Janeiro. Qual seria o motivo de tanta agressividade contra um repórter? Cabe ao chefe do Executivo esclarecer o porquê das acusações feitas | Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

Na noite de domingo, 10, precisamente às 20h51, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) foi à sua conta no Twitter – acredita-se que foi o próprio chefe do Executivo quem usou a rede social naquele momento – e fez a seguinte postagem:

Sabe-se hoje que a informação é falsa e que a pessoa que publicou o texto em um site de apoiadores e simpatizantes de Bolsonaro, Fernanda Salles Andrade, é servidora do gabinete do deputado estadual Bruno Engler, do PSL de Minas Gerais. Mas o que chama a atenção é que o presidente da República incluiu nos ataques publicados no Twitter há menos de 48 horas o nome do jornalista Chico Otávio, pai da repórter do Estadão alvo da ira de Bolsonaro, Constança Rezende, que trabalha no jornal O Globo.

Chico Otávio tem focado sua atuação no levantamento de informações sobre a relação de milicianos com políticos e traçado o perfil de policiais e ex-militares que fazem parte desses grupos criminosos que controlam áreas da capital fluminense e no Estado do Rio de Janeiro.

Se a informação falsa e o ataque gratuitos seriam direcionados à repórter Constança Rezende, resta esclarecer porque Bolsonaro resolveu ampliar sua raiva a Chico Otávio, que nem aparecia no áudio divulgado de forma irresponsável pela sua interpretação mentirosa e tendenciosa.

Por isso, cabe a qualquer jornalista que cruzar pelo caminho do presidente da República hoje, data em que foram presos dois suspeitos de participarem do assassinato da vereadora Marielle Franco (Psol-RJ) e do motorista Anderson Gomes, cometido em 14 de março de 2018, fazer seis perguntas ao chefe do Executivo nacional:

1) Por que a atuação profissional do jornalista Chico Otávio incomoda tanto o presidente da República se o repórter foca na cobertura da atuação das milícias?

2) Qual o motivo do ataque gratuito ao repórter?

3) Bolsonaro tinha informação de que o repórter do O Globo publicaria matéria sobre o histórico dos suspeitos de participar do assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes?

4) Por que o alvo direto dos ataques no Twitter foi a filha de Chico Otávio?

5) Bolsonaro sabia na noite de domingo que o ex-PM e policial militar reformado seriam presos nesta semana?

6) Depois de feitas todas essas perguntas, vale repetir o questionamento feito ano passado a ele pela imprensa sobre os motivos de não se pronunciar sobre o caso Marielle.

Se você não teve acesso ao texto assinado por Chico Otávio, Vera Araújo e Arthur Leal publicado às 7h14 de hoje, mesma manhã da prisão do ex-PM Elcio Vieira de Queiroz e do policial militar reformado Ronnie Lessa por suspeita de terem matado Marielle e Anderson, leia a boa reportagem dos três profissionais do O Globo. Clique aqui para ter acesso à publicação do veículo carioca.  

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.