Avatar
A.C. Scartezini

Com ironia, o arrocho chega como cria do arrocho que Dilma garantiu que não haveria

Ex-ministro Delfim Netto: redução do superávit primário precisa ser aprovada  l Foto: Roosewelt-Pinheiro-ABr

Ex-ministro Delfim Netto: redução do superávit primário precisa ser aprovada l Foto: Roosewelt-Pinheiro-ABr

Com força para se projetar pelos próximos anos, o arrocho que a presidente Dilma oferece ao país às vésperas do novo mandato se desenha como produto de algo que ela atribuiu, ao longo da campanha eleitoral, a uma ideia fixa do candidato rival, Aécio Neves. Se eleito, o tucano faria aquilo que Dilma se propõe a fazer agora, um mês depois da reeleição.

Trata-se de um processo destinado a ser histórico como os desvios que agitam e marcam os governos do PT como o fato político deste, ainda, início de século. Ao descartar a índole de arrocho no primeiro mandato, a presidente afrouxou os gastos públicos na esperança de que levassem o país para frente movido a impulsos da presidente.

O desenvolvimento não veio porque Dilma, com o PT, assumiu o bonde da história, mas saiu do tri­lho: a despesa se tornou superior à receita. Gastou mais do que re­cebia. Na contramão, atropelou a oposição com mais gastos em bus­ca da reeleição e atribuiu ao PSDB a vocação para arrocho. Com ironia, o arrocho de Dilma surge como negação do arrocho de Aécio.

Na sinuca, a presidente tenta apagar da história a falta de superávit primário nas contas do balanço do governo em 2014. “Legítima defesa”, definiu a ironia do ex-ministro Delfim Netto o empenho da presidente em obter do Congresso a aprovação da redução da meta fiscal para este ano, o que salvaria Dilma de processo por transgressão à Lei de Responsabilidade Fiscal.
Acredita Delfim, conselheiro econômico informal do governo Lula até ser ignorado, que a redução do superávit primário “precisa ser aprovada” pelo Congresso, mas isso teria um custo ao Pla­nalto que se estenderia até a próxima eleição presidencial:

— Criará mais um problema de credibilidade a ser enfrentado pelo governo no período 2015-2018.

Credibilidade que Dilma pretende assegurar, junto ao mercado com os novos ministros da Fa­zenda e do Planejamento, Joa­quim Levy e Nelson Barbosa. A expectativa é que ambos mudem o rosto técnico do governo, mais o manjado presidente do Banco Central, Alexandre Tombini. Será preciso conter o ímpeto da presidente em determinar como será a economia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.