Avatar
Marcos Nunes Carreiro

Candidatura alinhada a terceira via pode alavancar a campanha de Antônio Gomide ao governo

Ex-prefeito Antônio Gomide e prefeito João Gomes: dois desafios diferentes. Um deve se sobressair à sombra do antecessor; o outro tentar se tornar um sucessor

Ex-prefeito Antônio Gomide e prefeito João Gomes: dois desafios diferentes. Um deve se sobressair à sombra do antecessor; o outro tentar se tornar um sucessor

A nova postura de Iris Rezende provocará, inevitavelmente, mudanças. O anúncio da pré-candidatura do líder peemedebista, ocorrida no fim da última semana, abre caminho para um cenário pouco abordado até agora: o do PT como terceira via nas eleições de outubro.

Sem Iris, Gomide seria o principal adversário do governador Marconi Perillo no pleito ao governo. Com Iris, Gomide se torna um terceiro na polarização já habituada entre os líderes goianos. Pode-se falar que os dois polos não são os líderes e sim seus respectivos partidos –– PSDB e PMDB –– e, assim, mesmo com Júnior Friboi, o PT continuaria como terceira via. Contudo, contra Friboi, Gomide se iguala ou se sobrepõe, uma vez que o empresário é novo duas vezes: neopeemedebista e neopolítico. Nunca disputou um cargo eletivo. Não tem méritos no setor para serem mostrados.

O que já não ocorre com Gomide, que –– como gosta bastante de ressaltar –– tem um governo de cinco anos e três meses com mais de 90% de aprovação por parte de uma das cidades mais importantes do Estado.

Mas são apenas previsões. Isso depende, primeiro, do resultado das convenções. Iris pode vencer Friboi em junho, como pode também perder. Quem sabe? É certo que Iris tem o apoio de grande parte dos diretórios regionais, mas Friboi tem ao seu lado a maior parte dos deputados tanto estaduais quanto federais, fora o número considerável de prefeitos. Quem vencerá apenas as convenções vão dizer, mas vale uma análise: se Iris vencer e a candidatura de Gomide se tornar uma terceira via, isso atrapalhará a caminhada de Gomide?

Nas palavras do deputado federal e irmão de Gomide, Rubens Otoni: “A decisão do PMDB ainda demorará. Não sabemos quem é o candidato e traçaremos nossa estratégia quando soubermos. Se for o Iris e passarmos a representar, de fato, uma terceira via, já sei o que devemos fazer. É só ouvir aquilo que o povo diz por onde passamos: ‘não queremos Marconi nem Iris’.”

Isto é, uma candidatura enquadrada fora da polarização pode mais beneficiar Gomide que prejudicá-lo. Mas, como disse antes, são apenas previsões.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.