Na semana passada, a vereadora Cláudia Aguiar (PSDB) denunciou em tribuna contratos suspeitos envolvendo empresas fictícias e a Câmara Municipal de Valparaíso. A vereadora explicou os detalhes dessas alegações em entrevista ao Jornal Opção Entorno. Cláudia conta que, nos últimos dois meses, vinha apontando irregularidades na Câmara Municipal com base em denúncias de cidadãos e empresários.

Segundo a denúncia, empresários estavam sendo pressionados a pagar propinas para poder prestar serviços à Casa Legislativa. Diante disso, Cláudia conta que começou a examinar os contratos da Câmara, iniciando com o Comércio Hans. De acordo com ela, esse contrato é entre uma empresa fictícia criada por funcionários da Câmara com o propósito de lavagem de dinheiro e prejuízo ao patrimônio público.

Ao investigar o endereço registrado da empresa, a equipe da vereadora confirmou tratar-se de uma residência e não uma empresa especializada em limpeza e, ao ligarem para o CNPJ da empresa, surpreendentemente, foram atendidos por um servidor da Câmara chamado Inaldo. Sindicância interna teria confirmado a fraude, envolvendo não apenas Inaldo, mas outros servidores da Casa. A investigação se expandiu para outras empresas, resultando em novas denúncias de atividades semelhantes.

Além das empresas fictícias, Cláudia Aguiar mencionou irregularidades em contratos de empresas que não estavam cumprindo suas obrigações contratuais. Como exemplo, ela cita uma empresa responsável pelo serviço de Libras, onde uma das intérpretes e uma assessora parlamentar da Câmara, que deveria prestar serviços internos, estavam envolvidas. De acordo com ela, as tentativas de abordar o presidente da Câmara e a secretária-geral para resolver essas questões foram infrutíferas.

Questionada sobre medidas disciplinares, Aguiar explicou que, no caso do Comércio Hans, a sindicância resultou na rescisão do contrato e na exoneração de três servidores envolvidos. No entanto, ela enfatizou que isso não resolve o problema raiz, já que esses esquemas continuavam devido à permissividade da administração da Casa. A vereadora propôs a abertura de uma sindicância para investigar parlamentares envolvidos, mas seu pedido foi rejeitado pelos colegas, o que, para ela, demonstra o apoio à corrupção dentro da Câmara.

Confira a entrevista feita pelo Jornal Opção Entorno: https://entorno.jornalopcao.com.br/entrevistas/vereadora-de-valparaiso-denuncia-contratos-irregulares-695/