No dia 24 de outubro, Goiânia completa 89 anos. Sendo uma das capitais mais novas do país, Goiânia se desenvolveu mais rápido do que a média nacional. Entre os anos de 2000 a 2010, conforme os últimos censos demográficos do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a população do Estado de Goiás cresceu 20%, passando de 5.003.228 para 6.003.788 habitantes. A taxa média geométrica de crescimento anual da década foi de 1,84%, enquanto a taxa brasileira ficou em 1,17%.

O desenvolvimento acelerado causou uma demanda espontânea de trabalho na área da construção civil. Regiões inteiras transformadas em pouco tempo chamam a atenção dos construtores, como Claudenir Rocha de Souza, mais conhecido como Sabiá, que mora em Goiânia desde 1997 e chegou à cidade aos 16 anos. Sabiá afirma que saiu do Maranhão apenas com a “cara e a coragem”. Segundo ele, viu na capital goiana uma oportunidade de mudar sua realidade e seguir uma carreira. 

Ainda na adolescência, ele conta que participou de um programa de governo, em que teve a chance de fazer um curso profissionalizante, em que também ganhava o lanche e transporte. “Eu agarrei aquela oportunidade. Terminei o curso e, aos 18 anos, estava empregado na Toctao. Esse foi o meu primeiro e único emprego até hoje”, conta ele orgulhoso de sua escalada profissional. 

Inicialmente como ajudante de pedreiro, Sabiá caminhou para outros rumos e, atualmente, é encarregado de elétrica. No entanto, há 22 anos na mesma empresa, ele relata que viu a mudança e a transformação de várias regiões da cidade. Ele diz: “Aquele setor ali do Moinho dos Ventos, não tinha nada. Quando fomos trabalhar lá, construímos um loteamento, levamos tudo, asfalto, energia, rede de tratamento. Vi o bairro criando vida e toda a região foi beneficiada com essa obra. Foi um crescimento para todos que já moravam lá e para quem estava chegando também”. 

Testemunhas da evolução

Encarregado de hidráulica, Vaguimar Moura de Souza, de 46 anos, foi mais um trabalhador acolhido por Goiânia, em busca do sonho de crescimento e sucesso profissional. Natural de Aragarças, ele conta que veio para Goiânia a convite da Toctao, mas viu não só a transformação da cidade como da própria vida, desde que chegou por aqui. 

Segundo Vaguimar, uma das primeiras obras que trabalhou na capital foi o Condomínio New Home, no Setor Bueno. De acordo com ele, naquela época, o bairro já era populoso, no entanto, ele pode observar ao longo dos anos uma grande mudança. “O Setor Bueno era de um jeito e, hoje, está totalmente diferente. O bairro cresceu muito por essas obras que a gente ajudou a construir, foi só expandindo. Ali é bem localizado, foi crescendo e se tornando um dos bairros mais nobres de Goiânia. Antes, há 15 anos, a gente fazia prédio de 16 pavimentos, hoje, a gente faz de 46, 54 pavimentos, estamos vendo a evolução acontecer”, afirma ele.

Grato pela experiência vivida na capital goiana, Vaguimar conta também que teve a vida modificada na cidade. “Eu cheguei aqui novo, há mais de 20 anos, sem nada. Agora, eu já tenho a minha casa própria, formei as minhas filhas, uma cirurgiã dentista, tudo foi construído aqui. Tenho muita gratidão por Goiânia e as oportunidades que ela me abriu, foi aqui que consegui fazer a minha vida”, ressalta. 

Atualmente, tanto Sabiá quanto Vaguimar trabalham e acompanham uma nova área de expansão na cidade, na obra do condomínio horizontal Plateau D’or, localizado na região da GO-020. “Isso aqui [a região da GO-020] ainda vai crescer demais. Vamos ver esse espaço se encher, assim como vimos nas regiões mais centrais de Goiânia”, diz Vaguimar.