Desde quarta-feira, 11, Manaus está coberta pela névoa da fumaça das queimadas na Floresta Amazônica. O Amazonas registrou 504 queimadas somente na terça-feira, 10, segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). O estado chegou a 2.684 focos de calor nos primeiros dias do mês de outubro. Segundo o World Air Quality Index, base de dados que monitora a qualidade do ar de todo o mundo, a capital do Amazonas é um dos piores lugares do mundo para se respirar .

O pico do índice de qualidade do ar (IQA) da cidade foi registrado ao meio-dia, com 485 pontos. O painel de monitoramento, atualizado em tempo real, aponta que respirar em Manaus causa possíveis riscos para saúde. A Prefeitura de Manaus orientou que a população deixe as janelas fechadas, evite contato direto com a fumaça e utilize purificador de ar para manter esses ambientes umidificados, tal como ventiladores, bacias com água, toalhas e panos molhados.

No fim de setembro, um corredor de fumaça carregou o fruto das queimadas por mais de 4 mil quilômetros, desde a Amazônia até o Rio Grande do Sul. Os especialistas alertam que o Estado da região Norte registrou um número de queimadas acima do normal no último mês, principalmente em uma área chamada de “arco do desmatamento”.