Vecci diz que traição de Tejota não preocupa base

Lincoln Tejota

O presidente do PSDB de Goiás, o deputado federal Giuseppe Vecci, criticou duramente a possível ida do deputado estadual Lincoln Tejota para a oposição. Para o tucano, o presidente do PROS comete uma “traição” com o grupo do qual fez parte por anos. “Não tem outra palavra para o que está ocorrendo”, disse. Vecci, no entanto, ressaltou que a adesão de Tejota a chapa de Ronaldo Caiado (DEM) não preocupa a base. O presidente tucano disse que a migração configura um momento “deprimente” e “muito ruim para a política”, e criticou a postura pessoal de Tejota e do partido.

“Vejo com tristeza a política ser deteriorada por elementos que não tem uma visão do bem comum, do bem coletivo. Pessoas que usaram da estrutura de governo ao longo de anos e anos, e que, agora, mudam de lado, como se tivessem trocando de camisa. É muito triste ainda ter isso na política”, disse. “Ficou ruim para o Tejota que, no último momento, pula de galho, esperando ter ganhos pessoais”, apontou.

O presidente avalia que a chapa escolhida por Tejota é “fraca” e “sem consistência”, do ponto de vista dos partidos que a compõem, e de projetos. “É uma aliança dos radicais, dos sem-voto e de políticos que não tem sintonia com a sociedade. Não há interação com segmentos mobilizados da sociedade”, disse. “Não tem proposta, não tem planejamento, só sabem falar mal de tudo, não conseguem enxergar os avanços que Goiás teve ao longo dos anos”, criticou. “Vamos confrontá-los com idéias, com propostas. Temos o melhor candidato, que é o governador José Eliton. Vamos apresentar uma chapa forte, para continuar levando progresso para o povo goiano”, promete.

O tucano frisa ainda que o senador Ronaldo Caiado alardeou nas últimas semanas que estaria conversando com grandes partidos da base aliada. Entretanto, ressalva Vecci, conseguiu apenas pequenos partidos (PRP e Pros) para a sua chapa majoritária, que deve ser anunciada nesta quinta-feira.
Giuseppe Vecci disse ainda que Tejota teria feito forte pressão sobre o governo em busca de um tratamento diferenciado. “O governador não pode ceder a este tipo de política, a interesses, que não sejam do interesse público, da sociedade. Recentemente, o próprio governador afirmou que não faz política desta forma. Não poderia ceder a pressões pessoais, favorecer um candidato, dentre tantos bons, em tantos partidos”, completou.

Vecci disse que a base tem seu projeto e que, com muito trabalho do grupo, terá êxito em outubro. “Acho que nós não temos que nos preocupar com o lado de lá. Goiás não pode voltar ao atraso. A base aliada está cada vez mais unida, nossa luta não é só nossa, mas é uma luta pelo desenvolvimento, de possibilitar cada vez mais melhoria da qualidade de vida daqueles que vivem em Goiás”, disse.

Deixe um comentário