Sondar o futuro com tanta antecedência é, na maioria das vezes, infrutífero, porque a realidade vai mudando no dia a dia, desconfigurando articulações de longuíssimo prazo. Mas tucanos e peemedebistas goianos avaliam, em conversas reservadas, que, com uma possível derrota de Iris Rezende, que o aposentaria politicamente de vez, possivelmente poderão caminhar juntos na disputa de 2018.

Conta-se que o prefeito de Aparecida de Goiânia, Maguito Vilela, sonha com a hipótese de disputar o Senado, em 2018, numa dobradinha com o governador Marconi Perillo. Na eleição seguinte, há duas vagas para o Senado — as ocupadas atualmente por Lúcia Vânia (PSDB) e Wilder Morais (DEM).

E quem seria o candidato a governador? Fala-se em Júnior Friboi (PMDB) e/ou Giuseppe Vecci (PSDB). O nome de Alexandre Baldy, que deve ser candidato a prefeito de Anápolis em 2016, também é apontado como alternativa. Assim como José Eliton, do PP —hoje muito ligado a Marconi.

Detalhe: acredita-se que a aliança do PMDB com o PT em Goiás já era. Implodiu.