Thiago Peixoto organiza encontro com produtores para discutir a crise da cultura

O deputado federal afirma que a cultura é o setor mais abandonado do governo federal. “Tem ministério, mas não ministro”

Thiago Peixoto, presidente da Comissão de Cultura da Câmara dos Deputados: “Há 1,5 bilhão contingenciado que poderia ser investido na cultura” | Foto: Divulgação

A cultura, no governo de Michel Temer, está órfã. Para discutir a crise do Ministério da Cultura, o presidente da Comissão de Cultura da Câmara dos Deputados, Thiago Peixoto (PSD), organiza encontro na quarta-feira, 12, em Brasília, com o ministro demissionário da Cultura, João Batista de Andrade, o produtor cultural Eduardo Barata, presidente da Associação Produtores de Teatro (APTR), e o diretor do Instituto Itaú Cultural, Eduardo Saron, entre outros interessados na questão.

“O Brasil, entre 2016 e 2017, teve três ministros da Cultura, o que dificulta a definição de políticas culturais consistentes e torna mais difícil implementar quaisquer as ações. Falta continuidade. Com o ministério praticamente acéfalo, perde-se memória, perde-se história. A Comissão de Cultura da Câmara se tornou um espaço para se discutir saídas com o objetivo de fortalecer a cultura”, afirma Thiago Peixoto.

Na quinta-feira, 13, a Comissão de Cultura organiza audiência sobre o financiamento da cultura. “Há 1,5 bilhão de reais, contingenciado, que poderia ser investido na área. Vamos discutir o assunto, com o objetivo de encontrar um caminho para destravar o investimento”, frisa o deputado. “Ter recurso e não usar é um contrassenso.”

“Não há um setor mais abandonado no governo federal do que a cultura. Não tem nem ministro, pois o João Batista, que responde pela pasta, pediu demissão”, sublinha Thiago Peixoto.

Deixe um comentário