Se perder Goiânia para Iris, situação da base marconista se complica em 2018

O grupo do governador Marconi Perillo tem duas opções: vencer diretamente Iris Rezende e Ronaldo Caiado ou torcer para que Vanderlan Cardoso o faça | Fotos: Fernando Leite/Jornal Opção

O grupo do governador Marconi Perillo tem duas opções: vencer diretamente Iris Rezende e Ronaldo Caiado ou torcer para que Vanderlan Cardoso o faça | Fotos: Fernando Leite/Jornal Opção

Dizer que 2018 passa por 2016 é lugar comum. Afirmar que a base do governo estadual, ligada à figura de Marconi Perillo (PSDB), precisa ganhar em Goiânia também. A questão não é que a base precisa ganhar, mas que não pode perder, principalmente se o provável vitorioso for o ex-prefeito Iris Re­zende (PMDB).

Vamos por partes: o projeto “alfa” de todos os grupos políticos de Goiás é o governo do Estado, que entrará em disputa apenas em 2018. Acontece que o cenário estadual está, mais que nunca, ligado ao da capital. Os motivos são dois: a saída de Marconi do jogo e a entrada de Ronaldo Caiado.

A aliança de Caiado com o PMDB de Iris Rezende mudou tudo. Os governistas entendem que Caiado não representa uma ameaça em 2018, uma vez que não tem um trabalho expressivo para mostrar a não ser ele mesmo e a oposição que tem feito no Senado.

Porém, a história muda de figura se Iris Rezende vencer na capital. Atrelado à figura do já conhecido “tocador de obras” peemedebista, Caiado passará a ter algo para mostrar. Isto é, passa a ser um forte candidato contra o possível nome apresentado pela base estadual.

A aliança firmada entre Caiado e PMDB visa utilizar a força do democrata na articulação para o ano que vem com o objetivo de conseguir o maior número de prefeituras possível. Em troca, o PMDB dará irrestrito apoio à quase certa candidatura de Caiado ao governo. Isso, claro, se todos cumprirem com suas partes no acordo.

Se Iris vencer em Goiânia, Caiado passará a vincular verbas e facilitar a captação de recursos para a capital, além de estar sempre presente na cidade. E isso poderá dar visibilidade ao senador.

Por isso, o Paço goianiense passou a ser a obsessão de todos. Quem vencer terá uma ferramenta e tanto para usar nas eleições estaduais.

Há, entretanto, um ponto a ser ressaltado. Goiânia, ao que consta, deverá ter três grandes grupos na disputa: o da base, o de Iris e o de Vanderlan. As três aglomerações são fortes, independente de quem seja o candidato marconista, uma vez que o apoio da máquina estadual será primordial.

A possível vitória de Vander­lan também tem importância, afinal, ele foi candidato ao governo nas duas últimas eleições. Porém, os governistas veem Vanderlan mais como aliado que como adversário. “Esta­remos juntos em um prová­vel segundo turno”, diz um tucano.

Pelo visto, em 2016, será cada um por si e todos contra Iris.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.