São Paulo de João Doria consegue comprar dos chineses. Mas Bolsonaro não consegue

“O governo paulista recebeu 342 respiradores chineses. Entregue na surdina, o carregamento inclui ainda milhares de equipamentos de proteção para hospitais”

Procede que a China está favorecendo o governo de João Doria, em São Paulo, em detrimento do governo do presidente da República, Jair Bolsonaro — que representa o país, e não apenas um Estado?

A julgar pelo que diz a revista “Veja”, a resposta é sim: “O governo paulista recebeu nesta semana 342 respiradores chineses. Entregue na surdina, o carregamento chinês inclui ainda milhares de equipamentos de proteção para hospitais”.

Portanto, enquanto o governo de Bolsonaro batalha para comprar insumos, João Doria, que se tornou “amigão” dos chineses — na base da diplomacia, ao contrário do bolsonarismo, que vem atacando a China —, não tem nenhuma dificuldade.

João Doria, governador de São Paulo, e Jair Bolsonaro, presidente da República: conciliação pode melhorar relações com a China | Foto: Reprodução

Segundo a “Veja”, “ao Planalto, um fornecedor chinês negou antecipar remessas. ‘Apesar da urgência dos produtos para o Brasil’, disse que só entrega em maio, e olha lá”.

O que Bolsonaro deve fazer? Primeiro, os chineses estão querendo receber à vista, o que é complicado quando se trata de governos. Segundo, tem de “silenciar” os ministros Ernesto Araújo, das Relações Exteriores, e Abraham Weintraub, da Educação, e o deputado federal Eduardo Bolsonaro, espécie de ministro sem pasta. O esporte preferido dos três é atacar a China e, até, exigir retratação dos chineses, os atacados.

São Paulo é quase um país, com PIB superior ao de muitos países da América Latina, e tem condições de bancar determinadas aquisições. Mas outros Estados não têm. Por isso, Bolsonaro precisa entrar no circuito, negociar uma trégua com os chineses — enfatizar que seus ministros e seu filho estão equivocados e pedir desculpas publicamente  — com o objetivo de comprar insumos e beneficiar todos os Estados, quer dizer, todos os brasileiros.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.