Vereadora Sabrina Garcêz (PMB | Foto: Fernando Leite/Jornal Opção

A vereadora Sabrina Garcez é, do ponto de vista político, a presença mais expressiva do Partido da Mulher Brasileira (PMB) em Goiás. Mesmo assim, não foi consultada sobre a decisão da cúpula nacional de apoiar o senador Ronaldo Caiado (DEM) para governador do Estado. Os postulantes a deputado federal e estadual também não foram ouvidos.

“Nós iríamos ouvir todos os candidatos, mas, de repente, fomos atropelados pelo PMB nacional. O programa de Caiado tem a ver com o nosso? Ele se interessa pela discussão de gênero? Alianças têm de ser programáticas, mas, no caso, não foi. Não fecho com Caiado e é provável a ocorrência de uma debandada dos vereadores do partido. Nem sei se o PMB vai atingir a cláusula de barreira. O partido não tem nenhum deputado e a gente estava montando uma chapa”, afirma Sabrina Garcez.

A vereadora afirma que mantém uma conversa “avançada” com o governador Marconi Perillo e José Eliton. “Devo apoiá-los.” Porém, como não terá janela agora, não deixará o PMB. “Mas, como não fui consultada sobre a recente aliança, a cúpula não pode exigir que eu apoie Caiado.”

Sabrina Garcez afirma que José Eliton assume o governo no início de abril e terá alguns meses para mostrar à sociedade quem é e quais são seus planos para desenvolver Goiás. “Acredito nele, porque é moderno, aberto e inteligente.”

A jovem política defende que a base aliada “precisa mesmo” atrair a senadora Lúcia Vânia para a chapa majoritária. “Ela é uma política municipalista forte e tem um vínculo forte com a base aliada.”