Senador democrata trabalhou para esvaziar sua campanha ao atrair emedebistas históricos

Foto: Renan Accioly

Nas reuniões do candidato do MDB a governador de Goiás, Daniel Vilela, há três sentimentos. Primeiro, seu adversário no segundo turno será o governador José Eliton (PSDB), e não Ronaldo Caiado (DEM). Aposta-se que, assim que se apresentar no vídeo e exibir suas propostas, o emedebista irá crescer e a tendência é que, como oposicionista, retire votos do postulante do Democratas.

Segundo, quaisquer que sejam as circunstâncias, Daniel Vilela irá até o fim do pleito. Terceiro, em nenhuma circunstância, no primeiro e no segundo turno, haverá composição com Ronaldo Caiado. Porque o presidente do DEM é visto como o político que trabalhou, em tempo integral, para esvaziar sua candidatura, atraindo emedebistas históricos, como Adib Elias, José Nelto e Lívio Luciano.

Capitaneada por José Nelto e Adib Elias, a turma de Caiado chegou a espalhar que, na convenção, a candidatura de Daniel Vilela seria retirada e o MDB passaria a apoiá-lo oficialmente.