PT de Goiás planeja eleger Rubens Otoni e Wolmir Amado para deputado federal

O sonho de consumo político do petismo é Edward Madureira, da UFG, mas o professor afirma que não quer disputar eleição

Wolmir Amado: ex-reitor da PUC: prestígio na sociedade | Foto: Edilson Pelikano/Jornal Opção

O Partido dos Trabalhadores em Goiás é um fenômeno contraditório. Conta com integrantes de alta qualidade — como Adriana Accorsi, Rubens Otoni, Antônio Gomide, Pedro Wilson, Neyde Aparecida, Marina Sant’Anna, Luis Cesar Bueno, Kátia Maria, Professora Geli, Mauro Rubem, Marcos Carvalho, Wolmir Amado, Selma Bastos —, em termos de ideias e inclusive éticos (os problemas nacionais não contaminaram o petismo goiano), mas tem dificuldade para eleger mais de um deputado federal. Certo, já conseguiu eleger Pedro Wilson, Neyde Aparecida e Rubens Otoni. Mas, nos últimos pleitos, só conseguiu eleger Rubens Otoni. Em 2014, um excelente candidato, o reitor Edward Madureira, da Universidade Federal de Goiás, obteve boa votação, mas não foi eleito.

Rubens Otoni: deputado federal pelo PT | Foto: Reprodução

Em 2022, pode-se repetir o fenômeno? Há quem acredite que a “onda vermelha” — ou onda “Lula da Silva” — pode varrer o país, de Norte a Sul, e contribuir para a eleição de uma bancada maior do PT nos Estados. Petistas ouvidos pelo Jornal Opção sugerem que o PT banque pelo menos seis candidatos consistentes com o objetivo de eleger pelo menos dois deputados federais — como Rubens Otoni e Wolmir Amado, o ex-reitor da Pontifícia Universidade Católica de Goiás. De fato, são dois nomes consistentes. O primeiro é tido como imbatível, porque é, na verdade, o único político do PT que conseguiu estadualizar-se (Pedro Wilson, tudo indica, está fora do jogo político, exceto como apoiador). O segundo tem prestígio na área de educação e na sociedade. Resta saber se consegue transformar prestígio em apoio e, sobretudo, votos.

Há quem avalie que, com a expectativa de que Lula da Silva pode ser eleito presidente no primeiro turno, a “onda vermelha” pode fortalecer o PT em Goiás.

O PT tem um sonho de consumo político: o professor Edward Madureira, um dos melhores reitores da história da UFG. Há pouco tempo, o Jornal Opção publicou uma nota, amparado numa fonte petista, sugerindo que o doutor em Agronomia poderia disputar o governo pelo PT. Porém, logo em seguida, ele entrou em contato com a redação e disse que não irá se filiar ao partido nem disputará mandato de governador, senador ou deputado. A fonte petista volta à carga: “Mas será que, deixando a Reitoria, ele não poderá voltar atrás?” Não se sabe. Mas é provável que, no caso de uma “onda vermelha”, Edward Madureira, se candidato a deputado federal, pode acabar se elegendo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.