PSDB não vai bancar Diego Sorgatto para prefeito de Luziânia

Giuseppe Vecci quer expulsar o deputado imediatamente, mas Jardel Sebba planeja mantê-lo no partido

Em Luziânia, maior cidade do Entorno de Brasília, até os postes, as pedras, os cachorros e as crianças de 2 anos sabem que o sonho do deputado estadual Diego Sorgatto é disputar a prefeitura em 2020.

Diego Sorgatto, o deputado-galã está sob fogo cerrado de Talles Barreto e Giuseppe Vecci | Foto: Divulgação

Daqui a um ano e seis meses, Diego Sorgatto poderá ser candidato, com o objetivo de arrancar o grupo do prefeito Cristóvão Tormin, do PSD, da prefeitura. Cristóvão Tormin, que pretende ser candidato a deputado estadual em 2022, já definiu o nome de seu candidato. Será o deputado estadual Wilde Cambão, do PSD.

Wilde Cambão é um candidato forte, porque a máquina pública tem peso decisivo em Luziânia — uma cidade que, apesar de produzir muita riqueza, tem milhares de pobres. Em 2016, Marcelo Melo liderou, durante toda a campanha, mas perdeu para Cristóvão Tormin. Ou melhor, foi derrotado pela máquina pública, que, bem utilizada, é poderosa.

Giuseppe Vecci, presidente do PSDB, quer a expulsão imediata de Diego Sorgatto, que já é chamado “Caiadinho” | Fernando Leite/Jornal Opção

Diego Sorgatto também não é uma galinha morta, pois tende a contar com o apoio do deputado federal Célio Silveira (PSDB) e do ex-deputado federal Marcelo Melo (DEM), políticos que têm prestígio em Luziânia. Mas um “drummond” gigante surgiu no meio caminho do político-galã do tucanato.

Recentemente, Diego Sorgatto declarou-se como membro da base do governador Ronaldo Caiado na Assembleia Legislativa de Goiás. Logo, maledicentes, os tucanos mais erados começaram a chamá-lo de “Caiadinho tucano”. Um grupo liderado pelo presidente do PSDB, Giuseppe Vecci, e pelo líder do PSDB na Assembleia, Talles Barreto, quer a expulsão do parlamentar.

Jardel Sebba quer manter Diego Sorgatto no PSDB, alegando que o partido precisa agregar e não desagregar suas forças| Foto. Hedmilson Ornelas/Jornal Opção

Se expulso, Diego Sorgatto não tem como disputar pelo PSDB e possivelmente será o candidato do DEM em Luziânia. Mas o deputado, segundo aliados, não quer sair do PSDB — especialmente por causa de Célio Silveira (que pode acabar sendo o candidato do PSDB). Giuseppe Vecci quer expulsá-lo o mais rápido possível. Mas o ex-deputado estadual e ex-prefeito de Catalão Jardel Sebba, se for eleito presidente do partido, quer manter o deputado nos seus quadros, alegando que, no lugar de dividir o PSDB, precisa manter seus valores — como Diego Sorgatto, Fábio Sousa e José Vitti — e agregar novos quadros, como Thiago Peixoto.

O futuro de Diego Sorgatto, que deve perder a vaga na Comissão de Constituição de Justiça (CCJ), está nas mãos de Giuseppe Vecci, que quer expurgar “adesistas”, e de Jardel Sebba, que quer fortalecer o partido.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Caio Maior

Inacreditável. Só um tucano néscio – ou movido por interesses ocultos – seria contrário ao fortalecimento de um partido que está esfacelado. Essa postura tosca explica a derrota de Pepe Vechi. Cumprimentos ao próximo presidente, Jardel! O tempo da arrogância, do autoritarismo, do revanchismo e das perseguições acabou!