O vice-governador de Goiás, Daniel Vilela, do MDB, e o deputado estadual Renato de Castro, do União Brasil, conversaram, demoradamente na terça-feira, 16.

A reunião, de acordo com Renato de Castro, foi “muito produtiva. Discutimos a cidade de Goianésia e região, e alinhamos uma visita que deverá acontecer em breve no município para o anúncio de benefícios para a população”.

Renato de Castro foi acompanhado na visita por seu pai, Manoel “Fião” Castro e pelo prefeito de Jaraguá, Paulo Vitor, do União Brasil.

Quadro político em Goianésia

Daniel Vilela e Pedro Gonçalves: aliados | Foto: Divulgação do MDB

Renato de Castro deve ser candidato a prefeito de Goianésia, como oposição ao prefeito Leozão Menezes (quase-do PSD, quase-do PSDB, quase-do MDB e quase-fora do União Brasil). A tendência é que seu vice seja do MDB — possivelmente Pedro Gonçalves, auxiliar de Daniel Vilela.

Há uma outra possibilidade: a de Renato de Castro apoiar Pedro Gonçalves para prefeito e bancar sua mulher, a jornalista Igara de Castro — popularíssima em Goianésia (também é cotada para ser candidata) —, para vice.

Ao menos uma pesquisa indica que Renato de Castro lidera com folga, no momento. Leozão Menezes deve ser candidato com o apoio de Otavinho Lage e Jalles Fontoura. Na cidade ele já está sendo chamado de “Leozão do Otavinho”. O que, para alguns eleitores, revela falta de identidade política, pois, em 2020, ele disputou a prefeitura como “Leozão do Renatão” (numa referência a Renato de Castro, que era o prefeito do município).

Em Goianésia (“Goianudes” em termos de obras substanciais), os eleitores sentem saudade de Gilberto Naves, de Otavinho Lage, de Jalles Fontoura, de Renato de Castro. E lamentam que o mandato de Leozão Menezes vai acabar só daqui a um ano, sete meses e alguns dias. (E.F.B.)