Polícia Militar prende candidato a vereador com 15 mil reais na cueca

Vanzinho da Cueca, como está sendo chamado, “foi detido em flagrante”, revela o UOL. Político vai responder em liberdade. Ele estaria comprando votos

Vanzinho de Altos Verdes | Foto: Justiça Eleitoral

O Brasil pode ter inventado uma nova espécie de cofre — a cueca. Fica-se com a impressão de que se trata de uma caixa-forte quase inexpugnável, mas felizmente não à prova da polícia. Primeiro, José Adalberto Vieira da Silva — assessor do deputado federal José Guimarães (irmão de José Genoino), do PT — foi pego com 209 mil reais numa maleta e mais 100 mil dólares na cueca. A Polícia Federal o descuecou e devolveu o dinheiro ao Erário. A apreensão do dinheiro se deu no Aeroporto de Guarulhos. Recentemente, ao ser abordado pela Polícia Federal, o senador Chico Rodrigues (Chicueca, como agora é conhecido), do partido Democratas, escondia 33 mil na parte de trás da cueca. Seria dinheiro — “sujo” — desviado do setor de Saúde.

Dinheiro apreendido na cueca de Vanzinho de Altos Verdes | Foto: Reprodução

Pois, sem que se tenha esgotado a história do senador “Chicueca”, o candidato a vereador Edilvan Messias dos Santos, o Vanzinho de Altos Verdes, do PSD, foi detido pela Polícia Militar. Ele estaria comprando votos no povoado de Altos Verdes, no município de Carira, no Estado de Sergipe. Os policiais militares, depois de perguntarem pelo dinheiro, acabaram por descobrir que estava na cueca do candidato. Mas não nas nádegas. Estava protegido na parte da frente. Os policiais nem quiserem vasculhar a cueca, dada a localização do dinheiro, e por isso o candidato teve de retirá-lo por conta própria.

Automóvel plotado com o nome de Vanzinho de Altos Verdes | Foto: Reprodução

Vanzinho de Altos Verdes é “motorista de veículos de transporte de carga”, segundo registro no TSE.

O PSD de Gilberto Kassab ainda não decidiu se vai expulsas Vanzinho da Cueca. Segundo o UOL, “a Secretaria de Segurança Pública de Sergipe informou foi instaurado inquérito para apurar o caso, e que o candidato vai responder em liberdade. A Justiça Eleitoral já foi comunicada do caso”.

O candidato não se pronunciou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.