Os petistas da “Articulação” — leia-se o prefeito de Goiânia, Paulo Garcia, o mensaleiro Delúbio Soares e a secretária da Educação da capital, Neyde Aparecida — querem punir os vereadores Tayrone di Martino e Felisberto Tavares, de Goiânia, e o ex-chefe de gabinete do prefeito Paulo Garcia, o ex-deputado Iram Saraiva Júnior. O petismo do grupo de Paulo Garcia sustenta que os três políticos são infiéis, porque estariam apoiando a candidatura de Marconi Perillo no segundo turno.

Mas há uma lógica retorcida na argumentação da antiga e encanecida Articulação. No primeiro turno, Tayrone di Martino, Felisberto Tavares e Iram Saraiva Júnior apoiaram, decididamente, os candidatos do PT a governador, Antônio Gomide, e a deputado estadual e federal. Entretanto, no primeiro turno, o prefeito Paulo Garcia apoiou Iris Rezende para governador e Iris Araújo para deputada federal. Então, retirando a lógica invertida, quem é mesmo infiel? Segundo aliados de Tayrone di Martino, se for mesmo julgar infidelidade partidária, o PT tem de “punir”, em primeiro lugar, o prefeito Paulo Garcia, que, no primeiro turno, não apoiou o candidato do PT a governador.

“Sugiro que se compare o empenho de Paulo Garcia no primeiro turno, na campanha de Antônio Gomide, e a paixão do prefeito pela candidatura de Iris Rezende, no segundo turno. É óbvio que Paulo está mais entusiasmado com Iris Rezende, até porque não gosta, política e pessoalmente, do deputado federal Rubens Otoni e do ex-prefeito de Anápolis Antônio Gomide”, afirma um tayronista. “Paulo é mais irista do que petista. Há mais fotografias do prefeito com Iris Rezende do que com Antônio Gomide. Todos nós sabemos que Paulo tem horror ao grupo liderado por Rubens Otoni”, afirma um petista.