Pedro Chaves assumiu o comando do PMDB e sumiu do mapa político

O deputado federal está sempre em Brasília ou no Nordeste goiano

Na foto Pedro Chaves Crédito: Renan Accioly

Pedro Chaves é deputado federal e presidente do PMDB de Goiás; Foto de Renan Accioly

O deputado federal Pedro Chaves é municipalista e convive bem com os integrantes do PMDB, pois não briga com ninguém. Mas não é um líder, não gosta de liderar. Ele assumiu recentemente a presidência da comissão provisória do PMDB, mas, enquanto todos esperavam que liderasse o partido, sumiu do mapa. Quando procurado, está sempre em Brasília ou nos municípios do Nordeste goiano.

O PMDB, na verdade, precisa de um líder mais ousado e participante. Afinal, perdeu as cinco últimas eleições para o governo de Goiás. José Nelto e Daniel Vilela ao menos são mais proativos e têm vontade de liderar.

Uma resposta para “Pedro Chaves assumiu o comando do PMDB e sumiu do mapa político”

  1. Avatar Caio Maior disse:

    Michel Temer entendeu foi tudo quando escolheu Pedro Chaves para presidir a Comissão Provisória do PMDB de Goiás. Não adianta insistir nessatese de que ‘com o dono da panelinha o PMDB perde há mais de década as eleições estaduais”. Ruim com ele, pior sem ele – diria Temer. Agora o jogo é municipal – e ponto final. E a conquista da prefeitura de Goiânia pelas mãos do Morubixaba do Cerrado é vislumbrada como algo possível e com lucros visíveis. Mais: só quem jamais sequer conversou com Pedro Chaves imaginou que ele iria “vestir a camisa” do time mambembe de Maguito e “peitar” o Macunaíma de Cristianópolis. Quem realmente o conhece sabe bem: ele é um dos maiores “peixes ensaboados” da política goiana. Pedro Chaves não é só o “rei do nordeste goiano”; é o “rei do muro”. Mais fácil Anselmo Pereira ser o candidato a prefeito do PSDB que Pedro Chaves “enfrentar” o Caipora. A condição para ser presidente da comissão provisória foi exatamente não enfrentar o paneleiro – e ainda por cima, apoiá-lo em 2016, em 2018 e até na próxima encarnação. A dilmice de Maguito só prejudicou o “príncipe” Vilela perante Temer – que pretende ser o próximo presidente – e comprovou: o ex-craque de Jataí é o rei da bola fora. Errou mais uma vez e agora quem perdeu foi o seu “menino prodígio”. Quem viver, verá.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.