A pedra no meio da aliança entre Iris Rezende e Daniel Vilela é Ronaldo Caiado

Daniel Vilela, Ronaldo Caiado e Iris Rezende: o senador do DEM pode ser a pedra no sapato de uma possível aliança entre o primeiro e o terceiro

Daniel Vilela, Ronaldo Caiado e Iris Rezende: o senador do DEM pode ser a pedra no sapato de uma possível aliança entre o primeiro e o terceiro

Na quarta-feira, 23, às 10 horas, peemedebistas vão se reunir, no escritório de Iris Rezende (com a presença do prefeito de Aparecida de Goiânia, Maguito Vilela), para definir como deverá ser formatada a direção e a composição do Diretório Estadual do PMDB de Goiás. O deputado José Nelto, com o apoio de vários políticos, articula para que Iris Rezende assuma a presidência regional do PMDB, com o deputado federal Daniel Vilela na vice. O parlamentar, que antes estava inflexível, estaria disposto a ceder e a aceitar a vice. E, se o peemedebista-chefe for eleito prefeito de Goiânia, Daniel assumirá o comando do partido.

José Nelto diz que, depois do conflito inicial, que resultou na indicação do deputado federal Pedro Chaves para presidente da comissão provisória, o PMDB de Goiás tende a se unir.

Porque o projeto de Iris Rezende é municipal — a Prefeitura de Goiânia — e o de Daniel Vilela é estadual — o governo de Goiás. Não são, portanto, contraditórios. “Daniel Vilela quer fumar o cachimbo da paz, assim como Iris Rezende.” Se o acordo for concluído, vão participar do comando do PMDB Iris Rezende e Daniel Vilela, na linha de frente, mais as bancadas federal e estadual, além de Nailton Oliveira, Sandro Mabel, Iris Araújo e Agenor Mariano.

Há um problema, até um problemão. Para receber o apoio de Ronaldo Caiado, em 2014, na disputa pelo governo do Estado, Iris Rezende teria sugerido que apoiaria o senador do DEM para o governo de Goiás em 2018. É o típico acordo feito entre políticos — verbal e mais insinuado do que formulado de maneira formal. O peemedebista-chefe prefere Ronaldo Caiado porque o considera mais oposicionista em relação ao governador Marconi Perillo (PSDB), inimigo figadal, e lamenta a parceria administrativa e, segundo ele, política do prefeito de Aparecida com o tucano-chefe.

Ronaldo Caiado sabe que só tem chance de disputar o governo em igualdades de condições com José Eliton, do PSDB, se contar com uma estrutura partidária forte, como a do PMDB. Se tiver de disputar o governo contra José Eliton e Daniel Vilela, além de um postulante petista, como Rubens Otoni ou Antônio Gomide, tende a sair do páreo e optar por um projeto nacional. E sabe também que, em benefício de seu próprio projeto em Goiânia, Iris Rezende pode sacrificá-lo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.