Para assegurar força do MDB, secretariado de Iris será mantido na gestão de Maguito

Poucas mudanças devem ser promovidas nas secretarias municipais. A ideia é aguardar até que Maguito assuma à Prefeitura, sem que MDB perca espaços

O prefeito eleito Maguito Vilela (MDB) segue internado e sedado no Hospital Albert Einstein, em São Paulo. Essa condição não lhe permite participar de forma efetiva da formatação de seu secretariado. A melhor saída que tem se desenhado é manter a maior parte possível dos auxiliares do prefeito Iris Rezende, já de saída. Essa estratégia é interessando aos emedebistas e também a continuidade da gestão.

A eleição totalmente atípica de Maguito Vilela a Prefeitura de Goiânia serviu indiretamente para unir dois grupos do MDB: os iristas e os que estão ao lado de Daniel Vilela – presidente estadual do partido e filho do prefeito eleito. E essa união vai persistir. Isso porque praticamente todos os secretários de Iris devem permanecer no cargo, ao menos, até que Maguito esteja totalmente recuperado e possa assumir o cargo de forma plena e faça suas próprias composições.

Manter o secretariado de Iris para gestão de Maguito Vilela é a melhor saída adotada pela equipe de transição, liderada por Daniel Vilela. Primeiramente do ponto de vista político. A medida dá força ao MDB, mantém em funções-chave sob comando sigla e reforça essa união entre alas divergentes dentro do partido.

Ao manter a maior parte do secretariado, ao menos até que Maguito se recupere totalmente, Daniel Vilela também garante espaço para o MDB. Sem Maguito para fazer as indicações e encabeçar as negociações pelos cargos, o partido pode incorrer no risco de entregar funções e cargos considerados estratégicos do governo a partidos aliados.

Por hora, os acertos com suplentes de vereadores e nomes indicados por partidos da base de apoio devem ficar para o segundo escalão. Pode haver mudanças, mas apenas quando Maguito assumir o Paço.  

A decisão de manter a maior parte do secretariado para a próxima gestão também traz vantagem administrativa. A gestão de Iris foi acertiva. O prefeito deixa o Paço com boa aprovação dos goianienses e conseguiu impor seu ritmo de obras mesmo enfrentando um cenário adverso provocado pela crise sanitária do coronavírus.

Os nomes que compõem o grupo de secretariado de Iris Rezende também possuem boa aprovação na Câmara Municipal. Em geral, são auxiliares que mantiveram bom relacionamento com a base de apoio e até com a oposição. Manter a maioria desse secretariado é também estratégica para evitar desgaste logo no começo da gestão de Maguito Vilela.

Poucas mudanças

O secretariado pode ter um status de provisório, pois com a recuperação de Maguito ele vai buscar novas acomodações e atender a indicações. Mas alguns nomes no núcleo duro da transição já devem ocupar funções a partir de 1ª de  janeiro. São eles: Euler Moraes, Carlos Eduardo de Paula e Ozéias Laurentino. Ainda não há definições sobre quais pastas podem ficar sob o comando deles.

Ouve-se de quem acompanha a transição que a secretária Municipal de Saúde, Fátima Mrué, deve ser substituída. Paulo Ortegal, que está na Secretaria de Governo, também não tem demonstrado interesse em ficar na gestão, embora seja essa a vontade do grupo que representa Maguito Vilela.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.