A linguagem é tudo: se você quiser saber se um político é íntimo de Michel Temer, o próximo presidente do Brasil, verifique se diz “Michel” ou “Temer”.

Se o político disser “Michel”, quase sussurrando, é amigo de fato, da cozinha. Porém, se disser “Temer”, com certa frieza, é no máximo próximo — não é do círculo íntimo.

Agora, se disser “Michel Temer”, de maneira formal, aí não é amigo. É gente tentando se aproximar de qualquer maneira.