As obras do Parque Macambira-Anicuns ainda não foram dimensionadas com precisão pela imprensa de Goiânia, que parece não compreendê-las direito. Trata-se de uma requalificação urbanista geral da cidade, de maneira integrada, e não apenas parques ambientais isolados. Tanto que mais de 140 bairros serão favorecidos — na verdade, quando estiver concluído, vai beneficiar toda a cidade.

Outro aspecto pouco enfocado. Fala-se comumente que as obras do Macambira-Anicuns estão paralisadas. Não estão. Podem até não ser rápidas, mas as obras continuam. E há uma obra subterrânea, para evitar erosões e assoreamentos, que é gigantesca. As canalizações dos córregos estão de vento em popa.

Outro detalhe: por causa da dimensão do parque, que cria mais qualidade de vida, com mais verde preservado, com áreas cada vez mais públicas, de convívio social, as construtoras já começam a construir edifícios nas várias regiões beneficiadas.

Na semana passada, o prefeito mostrou parte das obras a um grupo de jornalistas e publicitários, explicitando o gigantismo do projeto, mas era visível que os convidados estavam boiando. Não por incompetência, mas porque ninguém tem mesmo conhecimento preciso do que se trata, exceto talvez o prefeito e Nelcivone Melo.

É provável que estejam deixando passar batido uma das maiores, senão a maior, obras da história da capital.