O “primeiro-ministro” Joaquim Levy (do PAF, Partido do Ajuste Fiscal), nas horas vagas ministro da Fazenda, e a presidente Dilma Rousseff estão dizendo, com a maior clareza possível, que não vão e não podem “boicotar” Estados governados por políticos das oposições.

Tese do “primeiro-ministro” e da presidente: o País só voltará a crescer, economicamente, se os Estados, juntos ou isoladamente, começarem a deslanchar. Portanto, “boicotar” um Estado é mais do que isto — é sabotar o Brasil.