A Eletrobrás já indicou o sucessor do presidente da Celg, Leonardo Lins. Será um funcionário de seu corpo técnico. O objetivo é fazer da Celg uma empresa mais enxuta, eficiente, lucrativa e com credibilidade (atualmente, é apontada pela Aneel como a pior companhia de energia elétrica do país). A cúpula da Eletrobrás refutou as indicações políticas — tanto do PT quanto do PMDB.

O governador de Goiás, Marconi Perillo, bancou três nomes para a direção da empresa: Elie Chidiac, vice-presidente; Orion Andrade, Diretoria Comercial; e José Eustáquio, Diretoria Técnica. Eles estão mais animados para pôr a Celg para funcionar do que o grupo da Eletrobrás.