O prefeito de Pirenópolis rejeita parceria com o governo do Estado e prejudica desenvolvimento do município

Nivaldo Melo: o prefeito consegue boicotar seu próprio município

Nivaldo Melo: o prefeito consegue boicotar seu próprio município

O prefeito de Pirenópolis, Nivaldo Melo, do PP de Roberto Balestra, trabalhou contra o governador Marconi Perillo em 2010. Aliados do tucano-chefe garantem que o gestor estadual procura levar benefícios para o município, um dos principais centros turísticos do Centro-Oeste — brasilienses das classes média e alta o consideram cult —, mas, inoperante, o gestor local não se interessa.
Um deputado conta que o governador liberou recursos para pavimentar 300 mil metros quadrados de ruas de Pirenópolis. Mas Melo não quer assinar o convênio. O parlamentar acrescenta que o governo adquiriu cinco alqueires para instalar o distrito industrial. “Mas o prefeito não libera o alvará.”

Confrontado pela população, que se mostra irritada com a inação do gestor municipal, Melo escapa pela tangente e não quer discutir o assunto. Durante o Governo Junto de Você, autoridades estaduais exibiram documentos para provar a má vontade do prefeito. Os documentos requeriam a assinatura de Mello, mas ele, por pura birra, não quis assiná-los. Criticado pela sociedade organizada, no lugar de assinar os documentos, o prefeito concedeu entrevista desmentindo o indesmentível.

Tornou-se consenso que o governador Marconi Perillo quer ajudar Pirenópolis, mas que o prefeito trabalha contra o município. O mais curioso é que a cúpula do PP, pelo menos até agora, nada fez para tentar melhorar as relações entre o prefeito e a equipe do governo. É como se Mello não fosse filiado ao partido do vice-governador José Eliton e do deputado federal Roberto Balestra.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.