Nem Drummond sabia que um “José” poderia fazer tanta falta

José Batista Júnior é um convidado importante para Marconi Perillo e deverá somar muito à campanha tucana, esteja na festa ou não | Fotos: Fotos: Fernando Leite/Jornal Opção

José Batista Júnior é um convidado importante para Marconi Perillo e deverá somar muito à campanha tucana, esteja na festa ou não | Fotos: Fotos: Fernando Leite/Jornal Opção

“E agora José? A festa acabou, a luz apagou, o povo sumiu, a noite esfriou, e agora, José?”. O poema de Carlos Drummond é famoso e vários “josés” já se encaixaram nele. O José da vez é o Batista Júnior, mais conhecido como Friboi. Um José que chegou ao PMDB goiano com a “benção” do líder do partido, Iris Rezende, para ser o candidato ao governo e, com boa estrutura financeira (para não dizer milionária), logo conquistou o apoio da grande parte do partido. Porém, esqueceu-se de dedicar a festa a Iris, o interlocutor drummondiano, que deu a ele o seu “chega para lá” e assumiu a candidatura.

Pois bem. Friboi levantou, mas deixou o banquinho em que estava sentado, no qual estão bem acomodados deputados estaduais e federais, além de 40 dos 55 prefeitos do partido em Goiás. E agora? Iris foi atrás para garantir a festa, mas o José, lá dos Estados Unidos — por telefone mesmo —, já estava organizando outra festa: uma azul e amarela para o governador Marconi Perillo (PSDB). E essa festa terá direito a tudo o que tem direito.

Pessoa destacada para ir buscar o banquinho do José já tem: Robledo Resende, convidado peemedebista de outro ex-companheiro de Iris que trocou de amigo: Frederico Jayme. Agora, o banquinho está mudando de festa. Aos poucos. Pelo menos 15 dos 40 prefeitos já estão no novo local de festividade. Esses, o próprio Jayme foi buscar. Mas há muitos outros. Francisco Bento, por exemplo, ajudará a compor o plano de governo tucano. Robledo deve começar a puxar o banquinho em Porangatu, lar de Eronildo Valadares (PMDB), um dos que estavam no assento de Friboi.

Mas e o José? Bem, ele deverá voltar dos Estados Unidos no fim de agosto e entrar na festa tucana no momento certo. Jayme assegura que sua entrada será estratégica e mudará o clima. A questão é que o banquinho do José é importante e somará mais ao anfitrião da nova festa do que somaria ao antigo. É. Esse José fará falta.

Uma resposta para “Nem Drummond sabia que um “José” poderia fazer tanta falta”

  1. edmilson disse:

    O problema que essa turma não tem banco e nem rumo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.