Morre o jurista José Gerardo Grossi. Ele tinha câncer

Ex-ministro do TSE, ele advogou para a direita e para a esquerda. Chegou a empregar José Dirceu em seu escritório

José Gerardo Grossi, jurista

Ex-ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o jurista José Gerardo Grossi morreu, aos 85 anos, em Brasília, em sua residência, na quarta-feira, 9. Ele estava se tratando de um câncer de pulmão. Era mineiro de Abre Campo.

José Gerardo Grossi era um advogado com forte atuação no país, notadamente em Brasília, nos tribunais superiores. Era visto como um craque da advocacia patropi.

Ele deu aulas na Universidade de Brasília (UnB) e foi conselheiro da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Amigos dizem que tinha um humor tão refinado quanto o dos britânicos — no estilo de Bernardo Shaw e Oscar Wilde (irlandeses).

Advogado experimentando, atuou na defesa de políticos tanto de direita quanto de esquerda. Ele foi advogado de Antonio Carlos Magalhães, que foi governou a Bahia e foi senador, José Roberto Arruda, ex-governador do Distrito Federal, e ex-senador, e Joaquim Roriz, ex-governador do Distrito Federal e ex-interventor em Goiânia. Ele advogado para Andressa Mendonça, mulher do empresário Carlos Cachoeira.

Sem receio da patrulha do politicamente correto, empregou José Dirceu no seu escritório — assim que o ex-ministro do primeiro governo de Lula da Silva deixou a prisão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.