MDB de Daniel Vilela pode fazer parte do governo de Ronaldo Caiado?

O Republicanos está conseguindo empurrar o emedebismo para o lado do líder do partido Democratas

Não é segredo para ninguém que as relações entre o governador de Goiás, Ronaldo Caiado, do partido Democratas, e o presidente do MDB, ex-deputado federal Daniel Vilela, são as mais cordiais e republicanas possíveis.

Também não é segredo que Ronaldo Caiado, na disputa da reeleição, gostaria de ter o apoio do MDB. Porque o partido está assentado em todo o Estado — com ampla tradição política.

Nas conversas entre Ronaldo Caiado e Daniel Vilela não se discute a posição que o MDB poderá ocupar na chapa majoritária. Até porque os dois, sendo políticos experimentados, sabem que é cedo para este tipo de definição — que só deve ocorrer em 2022, entre maio e junho. Mas chegaram à conclusão de que as portas de ambos deverão ser mantidas abertas. Como afirma um governista, “não se deve arrombar portas abertas”.

Daniel Vilela, presidente do MDB, e Ronaldo Caiado, governador de Goiás, caminham para participar da mesma chapa majoritária em 2022 | Foto: Reprodução

Frisa-se, no governismo, que nenhum político em sã consciência, sobretudo se conhecer a história política de Goiás, deve dispensar o apoio de um partido como o MDB, com duas lideranças jovens e promissoras — Daniel Vilela e o prefeito de Aparecida de Goiânia, Gustavo Mendanha.

Se o MDB romper com o prefeito de Goiânia, Rogério Cruz, do Republicanos, Ronaldo Caiado poderá oferecer espaço no governo para o emedebismo? É provável. Desde, sobretudo, que a aproximação inclua todo o MDB, e não apenas o grupo de Daniel Vilela. No momento, Gustavo Mendanha é reticente quanto a uma aliança. Mas um aliado do prefeito sublinha que ele seguirá a decisão do presidente do partido — a quem considera, além de aliado político, um amigo. Ele costuma lembrar que, quando disputou a Prefeitura de Aparecida pela primeira vez, em 2012, o candidato de Maguito Vilela não era ele, e sim o ex-deputado federal Euler Moraes, com quem tinha mais afinidade. Daniel Vilela teria sido decisivo ao convencer o pai de que Gustavo Mendanha representava a renovação, um avanço, e tinha o apoio dos vereadores.

Comenta-se que a Secretaria de Desenvolvimento Social, hoje sob o comando de um técnico, pode ser ocupada por alguém indicado por Daniel Vilela. Ele próprio e o governador Ronaldo Caiado nunca trataram do assunto. Mas o Republicanos está conseguindo empurrar, ainda mais, o emedebismo para o lado do líder do partido Democratas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.