Uma pesquisa qualitativa reacendeu os ânimos da política de Porangatu. As pesquisas quantitativas mostram que a prefeita Vanuza Valadares, do União Brasil, vai bem. Não tem nenhum adversário à sua altura. Hoje.

Entretanto, a quali mostra que há uma forte insatisfação em relação a administração de Vanuza Valadares. Parte dos eleitores admite que sua gestão não é ruim, mas a maioria a percebe com “conturbada” e não apreciou o fato de que a prefeita está sendo investigada pela Polícia Federal, que já esteve na prefeitura e levou vários documentos. Diz-se também que a cidade precisa de um prefeito que leve a cidade a novo patamar de desenvolvimento. “Não basta recapear ruas e restaurar praças, porque isto é visto como maquiagem. É cruciar atrair empresas sólidas que gerem empregos e aumentem a renda das pessoas. Não há, neste momento, um projeto de desenvolvimento de Porangatu”, disse um empresário, numa reunião recente.

Vanuza Valadares e Rafael do Charque: possíveis rivais em outubro deste ano | Fotos: Reproduções

Há quatro empresários que ainda não se definiram como candidatos, mas que podem ser candidatos, ou então podem organizar uma frente política para enfrentar Vanuza Valadares.

1

José de Paiva

José de Paiva: pré-candidato a prefeito | Foto: Reprodução

Com mais de 80 anos, Zé de Paiva, cartorário e empreendedor na cidade — teve cinema e hotel —, dificilmente, até pela idade, terá como se apresentar aos eleitores como um elemento da mudança. Mas não lhe falta estrutura (dinheiro). O que lhe falta é estrutura política. É certo que não vai compor com Vanuza Valadares.

2

Márcio Luís da Silva

Ao assumir a presidência da Facieg, Márcio Luís da Silva deixou o MDB do vice-governador Daniel Vilela. Mas não deixou de conversar com o presidente do partido nem com seus aliados de Porangatu. Parecia fora do jogo. Mas quem o conhece e entende a política de Porangatu postula que pode voltar ao jogo, filiando-se novamente ao MDB.

Pesquisas sugerem que, se disputar, será o candidato mais forte para enfrentar Vanuza Valadares. Porque tem capacidade de aglutinar as forças de oposição e, apesar de moderado, tem um discurso afiado. Recentemente, quando a Justiça barrou os gastos excessivos da prefeitura com o Carnaval de 2024, Márcio Luis gravou um vídeo e se posicionou com firmeza. Disse, com todas as letras, que não é contrário ao Carnaval. É a favor. Mas não pode deixar de se posicionar em relação ao descalabro dos gastos da prefeita (o projeto era torrar muito mais dinheiro do que em 2022, o que levou o Ministério Público a sugerir à Justiça que barrasse a farra dos gastos).

Quer dizer que Márcio Luís está no jogo? Ainda não. Mas é bem possível que, com o apoio de Daniel Vilela — com quem tem forte ligação —, o advogado, empresário e líder classista aceite participar de um projeto para recuperar a imagem da prefeitura e, portanto, da cidade.

3

Rafael do Charque/Podemos

O empresário está disposto a disputar a Prefeitura de Porangatu, No momento, é o pré-candidato das oposições mais afirmativo. Jovem, ousado, não será surpresa se colocar seu nome na disputa. Ele conta com o apoio do deputado federal Glaustin da Fokus (Podemos) e mantém diálogo com as forças de oposição — como José de Paiva e Márcio Luís.

Rafael — o Rafa — do Charque, se for candidato, vai se apresentar como o nome da mudança. Não da mudança apenas de nome, mas de métodos políticos e administrativos. Ele que colocar a prefeitura a serviço não de grupos e interesses econômicos, e sim da sociedade, de todos os cidadãos.

4

Reinaldo Borba de Souza

O ator Maurício Mattar e o empresário Reinaldo Borba de Souza | Foto: Facebook

Sem filiação partidária, Reinaldo Borba de Souza, o Reinaldo Santo Antônio, tem sido sondado por políticos de Porangatu. Bem-sucedido como empresário — é apontado como uma máquina para trabalhar e um gestor competente na iniciativa privada —, seria capaz, na opinião de muitos que o querem na disputa, de recuperar as contas públicas e, sobretudo, a imagem da prefeitura.

Reinaldo Borba teria ficado envaidecido com a lembrança de seu nome para a disputa. Mas parte da família, de acordo com um vereador, não quer vê-lo como candidato, com receio de que os negócios, que vão de vento em popa, sejam prejudicados. (E.F.B.)