Magda Mofatto. Armando Vergílio. Tayrone di Martino. Um deles deve ir para a chapa de Antônio Gomide

Magda Mofatto, Armando Vergílio, Tayrone di Martino e Marina Sant’Anna: pelo menos um deles deve compor a chapa majoritária com Antônio Gomide, candidato do PT ao governo | Foto: Fotos: Fernando Leite/Jornal Opção

Magda Mofatto, Armando Vergílio, Tayrone di Martino e Marina Sant’Anna: pelo menos um deles deve compor a chapa majoritária com Antônio Gomide, candidato do PT ao governo | Foto: Fotos: Fernando Leite/Jornal Opção

O candidato a governador pelo PT, Antônio Gomide, está convicto de duas coisas. Primeiro, que será candidato a governador de Goiás, e com a bênção do PT nacional. Segundo, que vai ser eleito governador de Goiás, surpreendendo os céticos e aqueles que acreditam em favas contadas em política. A um petista, que quis saber se sua convicção não era ilusão ou fantasia, Gomide teria dito que está ouvindo o povo com atenção e que as pesquisas, no momento, estão apresentando em primeiro lugar as pessoas mais conhecidas, mas que há um sentimento de renovação, um desejo de mudança, que surpreende. A sociedade goiana, tem frisado, vai dar o seu recado no momento certo.

Na semana passada, depois de se apresentar aos goianos, com visitas em mais de 130 cidades, Gomide costurava a negociação da chapa majoritária. Há pelo menos três cenários trabalháveis. Num deles, Armando Vergílio, do Solidariedade, seria seu o vice — possivelmente, com Marina Sant’Anna, do PT, para o Senado.

No segundo cenário, a deputada Magda Mofatto (PR), hoje apoiando o governador Marconi Perillo (PSDB), pode compor com o petista e ganhar o direito de disputar mandato de senadora. O petismo considera Magda decisiva, se aceitar a composição, porque, além de ter estrutura política e financeira, divide parte do grupo de Marconi. E é apontada como dotada de grande capacidade de trabalho. O deputado estadual Cláudio Meirelles, do PR, disputaria mandato de deputado federal. O vice poderia ser Armando Vergílio ou, então, Edward Madureira (PT).

A chapa com Magda Mofatto é improvável? Parece difícil, complexa, mas não impossível, na avaliação de petistas. “Magda não está satisfeita com a montagem da chapa majoritária da base governista — que terá Marconi Perillo para governador, José Eliton na vice e Vilmar Rocha para senador”, afirma um deputado petista. Durante certo tempo, e de maneira enfática, Magda Mofatto defendeu uma chapa com o governador Marconi Perillo e, para o Senado, o deputado federal Ro­naldo Caiado (DEM). “A de­putada considera que não foi ouvida”, frisa o petista.

O terceiro cenário é o da chapa pura, que Gomide não quer, porque cria um clima de isolamento, mas talvez tenha de se sujeitar a isto. Gomide irá para o governo, Marina Sant’Anna disputaria o Senado e, na vice, iria o ex-reitor da Universidade Federal de Goiás (UFG) Edward Madureira ou o vereador Tayrone di Martino.

Quando inquirido sobre qual é a chapa ideal, Gomide não diz explicitamente, mas gostaria, é claro, de uma chapa com integrantes de outros partidos, para que não fosse pura. “Porém, se tiver de ir para a disputa com chapa pura — até o último momento, o ex-prefeito de A­nápolis vai trabalhar por uma composição ampla —, Gomide continuará tão animado quanto agora, quando nem chapa tem”, afirma uma petista de Goiânia.

Deixe um comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.