Lúcio Flávio não vai disputar eleição na OAB e deve bancar Jacó Coelho ou Rafael Lara

Há quem aposte que, se melhorar sua imagem, o presidente da Ordem disputa a reeleição. Mas três nomes já estão articulando a remontagem da base que elegeu Lúcio Flávio

Rafael Lara, Jacó Coelho e Rodolfo Otávio Pereira: um deles pode ser o candidato da “renovação” bancado por Lúcio Flávio de Paiva em 2018 | Fotos: Fernando Leite/Jornal Opção

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil-Seção de Goiás, Lúcio Flávio de Paiva, teria confidenciado a um grupo de advogados que não será candidato à reeleição, em 2018.

Lúcio Flávio, ante a ampliação das oposições, com uma possível aliança entre os grupos de Miguel Cançado, Leon Deniz e Enil Henrique, teria decidido rearticular seu grupo. Ele estaria começando a articular nomes para sua sucessão.

Por enquanto, não há um no­me definido. Mas Lúcio Flávio tende a apostar em três advogados. Rafael Lara, apontado como um dos “cérebros” do grupo que está no poder e uma espécie de “guru” do presidente da OAB, tem sido citado pelo lucioflavismo como um dos postulantes mais consistentes. “Po­de-se dizer que é o principal formulador da aliança que apoia Lú­cio Flávio, porém, como é esquentado e brigão, talvez seja o mais fácil de ser derrotado”, diz um aliado do dirigente da Ordem.

Jacó Coelho, tido como mais agregador, é uma das apostas de Lúcio Flávio. Ele é mencionado como mais articulador, comedido e moderado do que Rafael Lara. Bem-sucedido na advocacia, com forte atuação em defesa de seguradoras, é o secretário-geral da OAB. Ao contrário de outros pré-candidatos, tem estrutura própria e está ampliando sua rede de apoios. “Jacó é rico, até poderoso, mas não deixou de ser humilde. Ele é agregador e dialoga com setores da advocacia que hoje não comungam com a ideias de Lúcio Flávio”, afirma um conselheiro da Ordem. “Seu sonho é ser desembargador, mas agora, como integrante da instituição, não terá como se candidatar à vaga de Geraldo Gonçalves.”

O presidente da Casag, Rodolfo Otávio Pereira, é citado como um dos mais articulados aliados de Lúcio Flávio. É visto como diplomático, moderno e agregador. “Rodolfo tem uma vantagem em relação à maioria dos que seguem o presidente da OAB. Ele tem luz própria e, como não tem arestas, articula bem com advogados das oposições. Se candidato, pode atrair advogados que se afastaram da Ordem pelo fato de Lúcio Flávio ser autoritário e desagregador”, diz um ex-aliado do presidente da instituição.

Mas Lúcio Flávio desistiu mes­mo da disputa? O Jornal Opção ouviu cinco de seus aliados, que optaram por falar em off. “Lúcio Flávio está incentivando Jacó Coelho, Rafael Lara e Rodolfo Otávio, mas, na agora agá, se conseguir melhorar sua imagem, hoje muito desgastada, pode disputar a reeleição”, admite um de seus aliados. “Lúcio Flávio gosta da liturgia do poder, mas não tem paciência para o dia a dia da OAB. Ele não aprecia o debate, o choque do contraditório e receber as pessoas. Noutras palavras, falta traquejo político e, mesmo, polidez. Mas Lúcio é bem intencionado. Tenho quase certeza que não pretende disputar a reeleição”, sugere outro aliado. “Acredito que Lúcio vai apoiar para presidente aquele candidato que apresentar estrutura financeira própria e não exija que ele, Lúcio, banque sua campanha”, postula um terceiro aliado.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.