Há quem postule que ele irá para o TCM ou para o TCE. O pai pode disputar mandato de deputado estadual ou federal. Priscilla Tejota deve ir a deputada federal

O vice-governador de Goiás, Lincoln Tejota (Cidadania), se tornou amigo do governador Ronaldo Caiado. Em todas as conversas, o gestor estadual elogia o jovem político de 37 anos e afirma que lhe tem um “carinho” especial.

Lincoln Tejota cumpre as missões determinadas pelo governador, sempre com desvelo. O secretariado de Ronaldo Caiado também afirma que o presidente do Cidadania é proativo e atua sempre em defesa do governo, colaborando, às vezes, para destravar a burocracia. Ele mantém relacionamento com os deputados da Assembleia e, se há problemas em órgãos auxiliares, ele aparece para tentar resolver, de maneira republicana.

“Lincoln é um verdadeiro golden boy”, afirma um secretário de Ronaldo Caiado. “Ela não cria problemas e sempre apresenta soluções adequadas.”

Lincoln Tejota, vice, e Ronaldo Caiado, governador de Goiás: uma parceria que deu certo | Foto: Reprodução

Lincoln Tejota não deverá ser candidato a vice — e é preciso que se leia direito: “não deverá” (quer dizer, ainda há alguma possibilidade de que seja) —, não por seus defeitos, e sim pela conjuntura política.

Obter o apoio o MDB, por intermédio de seu vice, Daniel Vilela, é o mesmo que conquistar um partido de larga tradição em Goiás — que governou o Estado por 16 anos — e um exército eleitoral poderoso. Em cada cidade do Estado há uma célula do MDB e, sobretudo, enraizada na sociedade. Com o acréscimo de que o partido soube se renovar no interior — contando, hoje, com novos personagens, como Aleomar Rezende, prefeito de Mineiros, Pábio Mossoró, prefeito de Valparaíso de Goiás, Márcio Luís da Silva (perdeu a Prefeitura de Porangatu por menos de 50 votos), Márcio Corrêa (revelação política de Anápolis) e, entre tantos outros, Manuel Cearense (líder do partido na quarta maior cidade de Goiás em número de eleitores e, em termos econômicas, entre as mais prósperas do país).

Digamos que o prefeito de Aparecida de Goiânia, Gustavo Mendanha, seja candidato a governador. Com Daniel Vilela ao lado de Ronaldo Caiado, Mendanha não terá apoio de emedebistas em todo o Estado. Começa, portanto, fragilizado.

Então, a composição de Ronaldo Caiado com Daniel Vilela é estratégica — não tem a ver com possíveis deficiências de Lincoln Tejota.

Se não for vice, o que fará Lincoln Tejota? A aliados ele continua sustentando que está no páreo para a vice. Mas, no partido Cidadania, se comenta três coisas. Primeiro que há a possibilidade de o vice-governador ocupar uma vaga de conselheiro no Tribunal de Contas dos Municípios ou no Tribunal de Contas do Estado. Há duas hipóteses: se for para o TCM, o deputado Humberto Aidar irá para o TCE, na vaga do conselheiro Sebastião Tejota; e o vice é cotado também para ocupar a vaga do pai no TCE.

Segundo, o Cidadania estaria se preparando para lançar Priscilla Tejota — ex-mulher de Lincoln Tejota — para deputada federal. Terceiro, Sebastião Tejota iria, então, a deputado estadual, embora também seja cotado para deputado federal. Quarto, fala-se também que o vice-governador pode ser candidato a deputado federal com o apoio direto de Ronaldo Caiado — inclusive pelo DEM.

O PSD teria recebido uma consulta sobre uma possível filiação de Sebastião Tejota, uma raposa política dotada de grande capacidade de articulação. A cúpula do partido “aprovou” e está esperando o desenrolar dos fatos.