Líderes partidários disputam secretarias estratégicas do governo Caiado

A principal batalha é pela Goinfra e pela Secretaria de Desenvolvimento Social. Mas Educação e Segurança estão no jogo

O governador de Goiás, Ronaldo Caiado, do partido Democratas, está conversando, aos poucos, com os principais líderes dos partidos políticos em Goiás. As mudanças no secretariado decorrerão do diálogo com presidentes dos partidos e deputados federais e estaduais (na verdade, o gestor estadual não aprecia conversas isoladas, pois prefere falar com a representação partidária). Tais líderes querem ocupar secretarias estratégicas, que tenham orçamento e não sejam decorativas. “A Secretaria de Governo pode até render algum prestígio, mas, esvaziada, tem pouca força política, na prática”, afirma um presidente de partido.

Secretaria de Governo

O deputado estadual Tião Caroço era dado como certo no cargo. Porque o secretário tende a ser um deputado estadual (tem se falado em Amauri Ribeiro, Humberto Aidar, Amilton Filho e Bruno Peixoto), porque é a reivindicação da base do governador na Assembleia Legislativa. Portanto, se não for o representante de Formosa, o presidente da AL, Lissauer Vieira, do PSB, vai reunir com a base parlamentar e tende a indicar outro deputado para o cargo.

Se confirmado que Caroço, que alega problemas de saúde — há resistência ao seu nome no Podemos e em parte do DEM (Paulo do Vale, prefeito de Rio Verde) porque é “inimigo” de Ernesto Roller —, está realmente fora do jogo, e, se o indicado não for um deputado, como sugere a lógica, Lívio Luciano e Marcos Cabral, soluções caseiras — já estão no governo e são eficientes e leais a Ronaldo Caiado —, passam a ser cotados.

Secretaria de Cultura

Ernesto Roller: executivo experimentado| Foto: Francisco Costa / Jornal Opção

Convidado pelo governador Ronaldo Caiado, Ernesto Roller deve ser anunciado na segunda-feira, 1º. O advogado, ex-prefeito, ex-secretário de Segurança Pública e atual secretário de Governo é um gestor experimentado e tem força política. Ressalte-se que o secretário exonerado, Adriano do Baldy, também não era da área cultural. (Assim como um dos melhores ministros da Saúde da história do país, José Serra, não era médico, e sim doutor em economia.)

Secretaria de Desenvolvimento Social 

Três partidos, o PP (o do prefeito de Anápolis, Roberto Naves), o PDT (da deputada federal Flávia Morais) e o Republicanos (dos deputados Jefferson Rodrigues e João Campos), disputam a maior secretaria do governo goiano. Ninguém largou na frente. Porque as conversações, a rigor, mal começaram. Na verdade, o PP esteve na pole, mas, ante a crise entre Ronaldo Caiado e o ex-ministro Alexandre Baldy, o diálogo estancou. Comenta-se também que, se a negociação com Daniel Vilela avançar, o MDB pode indicar o secretário.

Codego e Goinfra

Renato de Castro: político e, ao mesmo tempo, técnico | Foto: Jornal Opção

Renato de Castro — com o apoio de Adib Elias, José Nelto, Renato de Castro e Paulo do Vale — gostaria de assumir a Goinfra, pilotando um orçamento, para os dois próximos anos, bilionário. Não há resistência ao ex-prefeito de Goianésia, que é considerado competente, sério, decente e nem estaria exigindo cargos. A questão é que o titular da Goinfra, Pedro Sales, é um executivo que está mostrando serviço. O governo também não pretende “politizar” a ação do órgão. Quer capitalizar politicamente, mas mostrando resultados técnicos. Ou seja, recuperando e ampliando a infraestrutura de Goiás, e sem escândalos. O “segredo” de parte do sucesso do governo advirá, há quem acredite, das obras do setor.

Secretaria de Administração

Pedro Sales: o coringa do governo de Goiás | Foto: Fábio Costa/Jornal Opção

Há quem postule que Pedro Sales retorne para a Secretaria de Administração, área considerada nevrálgica pelo governo. Se a Goinfra for ocupada por Renato de Castro, a volta seria iminente.

Pedro Sales é um quadro técnico do governo, uma espécie de coringa, com influência inclusive na Secretaria de Saúde.

Ipasgo

Auxiliares do governador Ronaldo Caiado sugerem que Hélio Lopes não será trocado. Porque estaria contribuindo tanto para ajustar quanto para modernizar o órgão. Mas, se não conseguir emplacar George Morais na Secretaria de Desenvolvimento Social, a deputada federal Flávia Morais (PDT) vai tentar colocá-lo no Ipasgo. Ela tem força política (foi a segunda mais votada na disputa de 2018 e representa, entre outros municípios, Trindade, município importante da Grande Goiânia, onde o governo não conseguiu eleger o prefeito em 2020).

Secretaria de Segurança Pública

O secretário Rodney Miranda nunca disse, publicamente, que pretende deixar o cargo e o governador Ronaldo Caiado não está pedindo que saia. Mas há quem diga, dentro do governo, que Miranda estaria se “despedindo”, aos poucos, dos auxiliares, pois gostaria de voltar para o Espírito Santo. O Republicanos de Jefferson Rodrigues prefere a Secretaria de Desenvolvimento Social, mas o Republicanos de João Campos ficaria contente com o comando da SSP. O perfil do novo secretário, se for feita uma mudança, tem de ser técnico. A indicação pode ser política, mas o escolhido precisa ter amplo conhecimento da área.

Secretaria da Educação

A secretária Fátima Gavioli é respeitada pelo governador Ronaldo Caiado, que a considera séria e competente. Na hipótese de ela voltar para seu Estado de origem, para disputar mandato eletivo, há a possibilidade de um partido, o Republicano de João Campos ou o PL de Magda Mofatto, indicar o novo titular. O nome de Vilmar Rocha, do PSD, tem sido citado para a Educação. Ele é professor da Universidade Federal de Goiás e tem bom trânsito com professores. Mas o presidente do PSD não tem reivindicado o cargo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.