Líder do Partido do Anselmo Pereira (PAP) quer vaga no TCM. Pressão resulta em zero à esquerda

O vereador Anselmo Pereira quer ser indicado para o Tribunal de Contas dos Municípios. Mas não está na lista dos favoritos

Presidente da Câmara, Anselmo Pereira | Foto: Fernando Leite / Jornal Opção

Presidente da Câmara e do PAP, Anselmo Pereira | Foto: Fernando Leite / Jornal Opção

Tucanos de bicos erados dizem que o presidente da Câmara Municipal de Goiânia, Anselmo Pereira, nunca pertenceu a nenhum partido político — exceto ao Partido do Anselmo Pereira (PAP). Quando necessário, troca a água, o PMDB, pelo vinho, o PSDB. Sem piscar. Sem pestanejar. O PAP é o oportunismo político misturado a alpinismo social.

Agora, Anselmo Pereira, supostamente radicalizado — o PAP nunca radicaliza, porque está sempre jogando em defesa dos interesses de seu “presidente” único e insubstituível —, diz que não desistiu de disputar a Prefeitura de Goiânia, contrariando suas declarações anteriores. Ora, como sabe os postes que ficam em frente à Câmara e os pombos que buscam alimentos ali por perto, o candidato do PSDB a prefeito de Goiânia está mais do que definido. Trata-se do deputado federal Giuseppe Vecci, este, sim, um político (e gestor) de estatura reconhecida nacionalmente.

Por que, se o nome de Giuseppe Vecci está definido — e será anunciado pelo governador Marconi Perillo no sábado, 27 —, Anselmo Pereira, líder do PAP, continua dizendo que está no jogo? Qual “pelada”, entre jovens, o vereador não diz. Mas todos sabem que, ao menos nos bastidores, Anselmo Pereira quer abandonar a política e por isso está cavando uma vaga de conselheiro no Tribunal de Contas dos Municípios.

Porém, como há vários pretendentes para duas vagas do TCM — a de Sebastião Caroço e a de Honor Cruvinel —, Anselmo Pereira, o infante-mor do PAP, sabe que figura tão-somente como terceira via. Quer dizer, suas chances são mínimas. Pressionando, sublinhando que está no jogo, acredita que será indicado para o TCM. Não será. As chances maiores são mesmo de Sérgio Cardoso e Valdenor Braz. Se a PEC da Bengala beneficiar conselheiros municipais, é possível que Helio de Sousa e Antônio Faleiros voltem para o jogo e podem ser indicados para o TCM.

E Anselmo? Fica com o PAP — partido que tem um líder, Anselmo Pereira, e um seguidor, Anselmo Pereira. Pois é: trata-se de um grande partido… dirigido por um liliputiano.

Deixe um comentário