Justiça obriga PT a aceitar filiação de atriz pornô que é pré-candidata a deputada

Ester Caroline Pessato planeja ser candidata a deputada estadual e há quem postule que poder ser a mais votada do PT em Mato Grosso do Sul

O PT é moderno, ma non troppo. A atriz pornô Ester Caroline Pessatto filiou-se ao partido, no dia 2 de abril deste ano, mas acabou sendo rejeitada, no dia 22 de abril.

A deputada federal Rosa Neide, do PT de Mato Grosso do Sul, num áudio vazado, disse que, se a filiação fosse mantida, o PT se tornaria “chacota nacional” e sublinhou que o presidente do partido no Estado, Valdir Barranco, tomaria providências contra a entrada da artista no partido.

Ester Caroline Pessatto: atriz pornô | Foto: Reprodução

“Quando me deparei com o áudio da deputada Rosa Neide, me senti atacada na minha dignidade, humilhada e marginalizada, porque é claro que fui alvo de discriminação, não tendo nada a ver com a justificativa do dirigente estadual, Barranco, de que teria havido falhas formais, o que não ocorreu”, afirma a atriz, que é pré-candidata a deputada estadual no Mato Grosso do Sul. Há quem aposte que será a mais votada do PT, acabando por se tornar a “puxadora” de votos do partido. Por sinal, a atriz é casada.

Se o PT demonstrou preconceito contra Ester Caroline, a “Tigresa Vip” — que tem 1,5 milhão de seguidores no YouTube —, a Justiça a amparou e garantiu sua filiação. Por enquanto, é uma liminar. O juiz Alexandre Paulichi Chiovitti escreveu na sua decisão: “Ao que parece, efetivamente, o processo de suspensão correu sem a observância dos ditames atinentes ao direito de defesa”.

Ester Caroline Pessatto: apesar da rejeição, pode ser a puxadora de votos do PT | Foto: Reprodução

O advogado de Ester Caroline, Paulo Lemos, divulgou uma nota: “No caso Ester, o arbítrio, a hipocrisia e o preconceito foram derrotados pelo Estado Democrático de Direito. A verdade venceu a mentira. O Poder Judiciário demonstrou que não vivemos em terra sem lei. Restabeleceu a ordem e a justiça”.

Paulo Lemos frisa que o veto do PT à sua filiação de Ester Caroline é um “ato arbitrário e ilegal com objetivo líquido e certo de fazer revigorar sua filiação”. Sua cliente, frisa, não teve sequer o direito à ampla defesa.

Ester Caroline é defensora de Lula da Silva e uma crítica radical do presidente Jair Bolsonaro nas redes sociais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.