Peemedebistas jovens não aguentam mais ouvir Iris Rezende contando histórias de mutirões que aconteceram em meados da década de 1960. Há quase meio século.

Quando Iris começa a sessão nostalgia, os jovens desconversam e alguns acionam seus celulares, escapando para as redes sociais e jogos. O pior é que o peemedebista não percebe que não está agradando. Iris, definitivamente, não é contemporâneo dos goianos. Vive no passado.