Jogada de mestre pode garantir Vanderlan como candidato da base governista em Goiânia

Na foto Vanderlan Cardoso

Vanderlan Cardoso durante entrevista ao Jornal Opção

Serão definidas, nesta semana, todas as candidaturas à Prefeitura de Goiânia. E o prolongar das negociações tem nome, ou me­lhor, lugar: Senado. Eis a situação: em 2018, há duas vagas para senador — Ronaldo Caiado (DEM) ocupa a terceira vaga e cumpre seu mandato de oito anos. Uma vaga está “garantida” para Marconi Perillo, que não pode se reeleger ao governo e deve se tornar novamente senador. Pelo lado da base, resta uma vaga, que já está sendo disputada.

Na fila estão: Lúcia Vânia (PSB), que é senadora; Vilmar Rocha (PSD), que foi o candidato na última eleição; Wilder Morais (PP), que assumiu a vaga de Demóstenes Torres; Roberto Balestra (PP), que há tempos quer disputar o cargo; Magda Mofatto (PR), que já se postula à vaga; e Jovair Arantes (PTB), que pode se colocar na disputa, caso não consiga se eleger presidente da Câmara no ano que vem.

Nesse cenário, Lúcia e Vilmar são os atores principais. O presidente do PSD joga para assegurar o lugar. Em Aparecida, como informou esta coluna na última edição, à revelia da base estadual que está unida em torno da candidatura do Professor Alcides (PSDB), o PSD declarou apoio ao candidato do prefeito Maguito Vilela (PMDB) — Vilmar e Ma­guito têm se reunido com frequência. Já Anápolis e Goiânia estão ligadas: Vilmar e Jovair teriam entrado em acordo.

Em Goiânia, Luiz Bittencourt (PTB) seria o vice de Francisco Júnior (PSD); em troca, o PSD abriria mão da candidatura de Olegário Vidal em Anápolis pa­ra apoiar o candidato do PTB, Roberto Naves. Em Anápolis, o acordo está concretizado e a aliança já foi, inclusive anunciada: Roberto terá como vice Márcio Cândido, do PSD — Vilmar e Jovair estavam presentes no dia do anúncio. Em Goiânia, por outro lado, ainda não houve anúncio da aliança e o motivo é justamente a continuação das conversas para uma possível união da base.

Feita a contextualização, podemos entrar nos argumentos que levam à afirmação do título. Na capital, está mais que certo que Giuseppe Vecci não será candidato. Deve assumir a secretaria de Desenvolvimento, que ainda está vaga após a saída de Thiago Pei­xoto (PSD). Vislumbrando a possibilidade de ter o apoio da base para seus candidatos, Vilmar e Jovair aguardam o desenrolar das conversas, que devem se estender até o dia 5.

Porém, muitos da base querem compor com Vanderlan Cardoso (PSB), pois acham que ele é o candidato com maiores chances de vencer a eleição. Vanderlan, entretanto parece não querer firmar a aliança, embora saiba que precisa do apoio de alguma grande estrutura para vencer seu principal concorrente, o Delegado Waldir (PR). Entra em jogo, então, a figura de Lúcia Vânia. Lúcia é a presidente do partido e pode firmar posição pela aliança e, ainda, fazer o acordo para assegurar sua reeleição ao Senado com o apoio de Marconi.

Embora diga que deixou a articulação por conta de Vanderlan, políticos da base afirmam que a senadora poderá intervir. Por isso, as chances de Vanderlan ser o candidato da base é grande. De quebra, a aliança prejudicaria Waldir, que não deverá fechar aliança com o PMDB — Daniel Vilela também quer Vanderlan. Seria uma jogada de mestre, que poderá ser definida no dia 5.

Há resistências? Sim. Afinal, Vanderlan não representa o projeto da base, mesmo que seja apoiado por ela. Porém, um acordo dessa magnitude é maior que as rusgas existentes entre o pessebista e os partidos. Além disso, se Marconi entrar no jogo, como deverá fazer, dificilmente os partidos se negarão a fazer parte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.