Jalles Fontoura deve enfrentar Renato de Castro em Goianésia. O prefeito não terá apoio do MDB

O MDB deve lançar Marcos Vinicius ou Múcio Santana para prefeito. O PSC pode apostar em Emerson da Autovip

Foto: Divulgação

O prefeito de Goianésia, Renato de Castro, está no MDB, mas, a rigor, nunca foi do MDB (já foi até do PT e seu pai, Fião de Castro, já foi presidente do PFL, antecessor do DEM, no município). Ele não está discutindo política, no momento. Há quem aposte que não será candidato à reeleição. Mas Fião disse a duas pessoas que, sim, o emedebista será candidato, mas não pelo MDB. DEM, Pros e Podemos estão disputando seu passe político.

O Jornal Opção conversou com o presidente do MDB de Goianésia, Giovani Machado. “O MDB vai ter candidato a prefeito de Goianésia — que pode ser Gilberto Naves, Mara Naves, eu, ou então os vereadores Múcio Santana e Marcos Vinicius Nunes da Silva. Mas, a um ano e seis meses das eleições, não há nada definido. Quanto ao prefeito, não sei se sairá candidato, pois ele nunca mais procurou os integrantes do MDB para conversar. Já ouvi comentários de que pode não ser candidato, e não noto movimentação política de sua parte.”

Giovani Machado frisa que o vereador e médico Marcos Vinicius, cadeirante, é “extremamente popular em Goianésia. Ele foi o mais votado para deputado federal no município. Eu apoio um grupo político, o do MDB, por isso banquei Daniel Vilela para governador em 2018”.

Renato de Castro, “como prefeito, não está mal”, admite Giovani Machado. “Em termos administrativos, ele está bem. Renato está mal é como político, porque não articula. Não apoiou Daniel Vilela, apostou em Ronaldo Caiado, mas este, uma vez eleito, não lhe prestigiou. O prefeito não conseguiu indicar ninguém para nenhum cargo de expressão no governo.”

O Jornal Opção apurou que o ex-prefeito Jalles Fontoura, do PSDB, começa a fazer algumas articulações políticas — inclusive propondo debate público com o prefeito Renato de Castro. Na verdade, Jalles Fontoura, assim como seu irmão Otavinho Lage, não queria disputar mais mandato na cidade. Mas, ante a falta de candidatos no seu grupo — a maioria de seus aliados não quer disputar —, Jalles Fontoura pode ir para o “sacrifício”. Ele ficou contrariado com críticas do grupo de Renato de Castro, que procura apresentar os Lage como a “vanguarda do atraso” da cidade.

Giovani Machado conta que o empresário Emerson da Autovip, do PSC, tem se apresentado como pré-candidato a prefeito. “Ele foi candidato a deputado estadual e obteve 7 mil votos em Goianésia. O candidato apoiado pelo MDB teve pouco mais de 2 mil votos. Helio de Sousa, do PSDB, conquistou 8 mil votos”.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.